quinta-feira, 5 de julho de 2018

Sibila

Fotografia de Velizar Ivanov




facilis descensus Averno;
noctes atque dies patet atri ianua Ditis;
sed revocare gradum superasque evadere ad auras,
hoc opus, hic labor est.
Vergílio, Eneida 6

o desconforto dos ombros
contra a porta
os óculos partidos no chão
as coisas tornam-se às vezes
a noite que as contém
não emergem
em perfeita corola
branco sorriso
mas quebradas
a beleza mais difícil
é a que fica imperfeita
sugerida apenas
no momento em que um gesto
a desfaz e a leva para longe
essa teimosia condenada
ao fracasso

a canção dele atravessa-te
por fim pelo cansaço
a visão do céu em plena tarde
está fora do teu desconforto
uma cor que não sirva
para falar de ti

voltas-te contra a janela
inclinas o corpo para a rua
o final de julho
desce lentamente
sem lâminas
e está nas pedras
que compõem
o desenho no chão
há uma precisão nas palavras
que te ensinou primordialmente a ver
talvez seja esta a tua justificação

sobre isso
outros te contaram histórias no escuro
quase que te sentes grato
por esses efémeros seixos
guardados nos bolsos
em jeito de armas de defesa
mas que de nada
te têm trazido a salvo

essas palavras que te escolheram
e que pululam pela solidão
algumas voltam mais tarde
perfuraram-te
ou
quase distraídas
afastadas do seu centro
estabelecem uma medida
para o que fica em volta

ou foram
a energia no momento
em
que pára:
vergílio
ao escrever
ibant obscuri
sola sub nocte
per umbram

assim
um verso perfeito
para dizer que eneias
desceu ao inferno
levado pela mão
de uma rapariga
cumas
um lugar dito por uma mímica
de pontos ardendo na noite
e o rumor do mar preso às folhas

reconstruir a partir dos estilhaços
o caminho de volta
como dizias
o amor que tens a essa teimosia
fracassada
assim dirás apenas
que foste deixado
para uma imagem imperfeita
e o som com que essas palavras te dizem
distrai-te
nas horas
de soturnos dormitórios
na solidão de longas viagens
em salas de espera

trouxeram-te de volta
até este desconforto mínimo
de ombros contra a porta
a canção da sibila
fica fora do círculo
sons que se articulam
num eco que recua
e se prende longe no tempo
convoca apenas
um rosto debruçado sobre o teu rosto
isso que talvez não exista
ou exista muito pouco
uma ternura que não fala de nós
uma ternura que nos salva
sem absolvição
Tatiana Faia


Sem comentários:

Enviar um comentário