sexta-feira, 13 de julho de 2018

Ele e ela (XV)*

* Hoje no Jornal do Centro


Fotografia de Christin Hume


— Olá, querido, finalmente juntos e ao vivo.

— Tens razão, foi uma noite inesquecível aquela em que te conheci... mas no dia seguinte começava aquele curso de empreendedorismo em Londres...

— Foi boa, sim, mas soube a pouco e ainda não sei nada de ti. Durante estes meses, a tua conversa na net foi sempre a mesma: start-ups, unicórnios, janelas de oportunidade, candidaturas ao vinte-vinte, ou lá o que é isso...

— Chateia-te eu querer ser rico?

— Chateia-me não saber nada de ti, nem da tua família.

— Sou de uma família de falhados. O meu avô, um triste, montou uma fábrica de máquinas a petróleo em 1960...

— Máquinas a petróleo?

— Sim, eram muito usadas nas cozinhas antes de aparecerem os fogões a gás. O meu avô fez a fábrica quando estavam a chegar as botijas ao mercado. Um nabo. Faliu...

— Coitado, foi azar...

— Azar nada, o meu avô não percebia nada de empreeendedorismo, destratar a minha avó sabia ele, investir, não. Mas o meu pai fez pior...

— Então?!

— Em 1983, aquela besta enterrou uma fortuna numa fábrica de máquinas de escrever...

— Não correu bem?

— Claro que não. A IBM tinha lançado o primeiro PC dois anos antes. Estava-se mesmo a ver que o futuro ia ser das impressoras. O meu pai para tratar mal a minha querida mamã tinha muito jeito, para o empreendedorismo, nenhum...

— Empreendedorismo, empreendedorismo, estás sempre com isso na boca...

— Foi para isso que fui para Londres...

— Foi por isso que só tivemos aquela noite.

— ... e, enquanto estava lá, tive uma ideia para um negócio infalível...

— Infalível?

— Claro, não vou ser um falhado como o meu avô e o meu pai...

— Que vais fazer?

— Vou fazer um franchise de escolas tauromáquicas.



* Todas as crónicas desta série podem ser lidas no blogue Olho de Gato, na etiqueta "Ele e ela"

Sem comentários:

Enviar um comentário