segunda-feira, 29 de julho de 2019

Blandina

Fotografia de Frankie Cordoba

Tão bela! Que bela, que bela
é a toada que ouço agora
na vez em que vou morrer.

A multidão ferve e é hora:
bramas se me dobro já
sobre o escuro, teu corpo
de boi fogo e meu colosso.

Sobre o escuro teu dorso
de boi, breu fulvo, teu contorno,
curvo-me cativa e cumpro-me
pesada e côncava sobre o pó.

São fardo teu trono, meus seios,
enquanto bramimos; afinal
sou bicho e tanto como tu
na vez em que vou morrer.

Ergo-me ampla e abro-me
à fome, meu altar e tua arte
na vez em que vou morrer:
a multidão ferve e é hora.

Estendo-me larga e fendo-me
doida, densa açucena pousada,
planície inteira como se exposto
meu lombo, como se a escutasse

tão bela! que bela que bela
na vez em que vou morrer:
a multidão ferve e é hora.
Mafalda Sofia Gomes


Sem comentários:

Publicar um comentário