sábado, 6 de setembro de 2014

What lips my lips have kissed, and where, and why

Imagem de J. Crew Pucker,
inspirado em Andy Warhol


What lips my lips have kissed, and where, and why,
I have forgotten, and what arms have lain
Under my head till morning; but the rain
Is full of ghosts tonight, that tap and sigh
Upon the glass and listen for reply,
And in my heart there stirs a quiet pain
For unremembered lads that not again
Will turn to me at midnight with a cry.
Thus in winter stands the lonely tree,
Nor knows what birds have vanished one by one,
Yet knows its boughs more silent than before:
I cannot say what loves have come and gone,
I only know that summer sang in me
A little while, that in me sings no more.
Edna St. Vincent Millay


Que lábios os meus lábios já beijaram,
Onde e porquê, esqueci, como em que braços
Até pela manhã tive a cabeça;
Mas esta noite a chuva traz espectros

Que batem na vidraça, à escuta, à espera;
E uma saudade calma há no meu peito,
De jovens que não lembro e nunca mais,
Noite alta, me desejam num soluço.

Qual árvore isolada, assim, no Inverno
Não sabe de aves idas uma a uma
E só seus ramos sabe mais silentes,

Não sei que amores vieram e partiram:
Apenas sei que o Verão em mim cantou
Um breve tempo, e já não canta mais.
Edna St. Vincent Millay
Tradução de Jorge de Sena


Sem comentários:

Enviar um comentário