quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Nitrato do Chile *

* Texto publicado no Jornal do Centro em 5 de Dezembro de 2008


     1. Nas primeiras décadas do século passado, a companhia Nitrato do Chile vendia em Portugal e Espanha o guano, um fertilizante obtido a partir dos excrementos de aves e morcegos. O guano que chegava do Chile era um bom adubo. Era uma esperança para a colheita dos nossos agricultores.
     Pelo país fora, ainda se encontra publicidade ao nitrato do Chile. São painéis de azulejos amarelos e pretos, com a silhueta de um cavaleiro, e o slogan “Adubai com Nitrato do Chile”. Um desses painéis resiste heroicamente na N16, na estrada S. Pedro Sul – Viseu, perto da rotunda de Abraveses.
     Muitas décadas depois, Maria de Lurdes Rodrigues foi arranjar uma avaliação de professores ao Chile, ao exacto sítio de onde outrora vinha o guano. A colheita nas escolas não melhorou nada.

     2. Quantos mais remendos leva, mais a avaliação de professores marca passo no interior de um labirinto. Isso não é bom para a escola pública. Os professores deviam propor um modelo de avaliação rigoroso e transparente para aplicar ainda este ano-lectivo.
     Esse modelo SOS podia e devia ter dois momentos: (i) relatório crítico feito pelo docente e sujeito ao escrutínio de toda a comunidade escolar; (ii) defesa do relatório em provas públicas (nos casos de progressão na carreira).
     No médio prazo é necessário introduzir a supervisão educativa nas escolas. A qualidade de um professor vê-se na sala de aula. É necessária uma observação sistemática de aulas. Depois, com a rotina, os professores e os alunos ficam espontâneos com os supervisores.
     Observar só duas aulas – como agora é defendido – não serve para nada. São duas aulas protótipo, artificiais, insignificativas. É um teatro inútil para extenuar ainda mais os professores.

3 comentários:

  1. Demoliram a casa e os azulejos foram-se. Mais velharias recicladas!!

    ResponderEliminar
  2. Olá, caro anónimo
    Tenho fotografias daquela casa com o painel mas não as achei.
    Se as achar, mudo a ilustração do post

    ResponderEliminar
  3. Caro João Duarte,
    Peço imensíssima desculpa, carreguei no botão errado no telemóvel e apaguei o seu comentário sem querer :-(

    ResponderEliminar