sábado, 15 de novembro de 2014

O eco de mil sinos de prata



O eco de mil sinos de prata
emudece
ante o labor da aranha

O tempo emudece
na cegueira do ar
na sua geografia nula

Que queres de mim
matéria insensível?

Nas coisas conhecidas
o verbo ser
emudece
Ana Hatherly

Sem comentários:

Enviar um comentário