sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Camisa-de-forças dourada

* Texto publicado hoje no Jornal do Centro



A crise sistémica global começou nos EUA mas fixou-se no velho continente, criando uma fractura entre a Europa protestante e a Europa católica. Parece que regressámos ao século XVI, aos tempos da Reforma e da Contra-Reforma.


Imagem daqui
O sul tatuou cruzes gamadas em Angela Merkel. De lá, a resposta é: "levantem-se mais cedo, trabalhem mais!" São retóricas que, como agora se diz, estão sempre a "incendiar as redes sociais". A última foi sobre os “demasiados” canudos licenciateiros dos portugueses.

São retóricas muito úteis para os políticos irem construindo "inimigos". Como se sabe, quanto mais fraco é um político, mais ele precisa de “inimigos”.

A guerra norte/sul na "Europa" é um biombo que esconde a impotência das políticas nacionais perante a economia global, perante aquilo a que Thomas Friedman, no seu livro "O Lexus e a Oliveira", chama de «camisa-de-forças dourada».

O capitalismo financeiro impõe aos estados que o sector privado seja o motor do crescimento; inflação baixa e orçamentos equilibrados; eliminação ou abaixamento das tarifas sobre as importações; privatização dos serviços públicos e concorrência na banca, energia e telecomunicações; uma moeda convertível e um mercado de capitais aberto e desregulado; por aí fora...

Os partidos no governo — sejam eles conservadores, liberais ou sociais-democratas — se quiserem aplicar políticas muito diferentes desta "camisa-de-forças", vêem os investidores a fugir, os juros a subir e as bolsas a desmoronarem-se.

As coisas estão assim: mais política é igual a menos economia. Perante esta impotência que torna os partidos instalados todos iguais, os eleitorados do sul estão a fugir para partidos novos que, pelo menos, ainda não estão sujos pela corrupção.

Para o ano, o PAN e o PDR de Marinho e Pinto devem entrar no parlamento. E se José Gomes Ferreira for a votos, como acaba de “ameaçar”, as coisas levarão mesmo uma grande volta.

1 comentário:

  1. Redescobri uma palavra brejeira, que usávamos muito na adolescência, que incorpora o espírito do momento. Estamos na fase da “canzana”.

    A iliteracia e a ignorância bloqueiam a indignação.

    Ganhar forças para recusar a ideia de que “as coisas são como são”; ganhar forças para recusar o TINA (There is no alternative); ganhar forças para recusar a política da srª MerDel e dessas figuras sinistras tipo Van Rompuy ou Durão Barroso.

    Maldita memória que estraga tudo e recorda onde estava a srª MerDel, vinte cinco anos atrás…? Pois….

    Há dias foi aqui evocado o António Sérgio que nos deu tanto a conhecer, como os CLASH que questionavam: “ Should I stay or should i go”.
    Há que continuar a lutar por políticas e modelos culturais alternativos.

    ResponderEliminar