sexta-feira, 23 de maio de 2014

O mote de Camões

Fotografia de Alfredo Valente


Exausto
de insónias
peço ajuda ao bom Luís Vaz de Camões.

O então malquisto exilado português de Muipiti
senhor de ínclitos dotes na arte do soneto
generoso empresta-me seu método
de falar com os bruxos
no ambíguo tempo
dos homens.

Ele
o grão-sonhador que lambeu
suas crostas
imperfilado
em verso
deu-me
o mote:

Efémeros são os oiros dos biltres.
Vãos os poderes da espada e da pólvora.
Louvado seja a Dinamene
e Maria louvada seja também.

E ambos entoamos.
José Craveirinha


Sem comentários:

Enviar um comentário