quarta-feira, 7 de maio de 2014

Muhammed Saeed al-Sahaf *

* Texto publicado no Jornal do Centro há exactamente quatro anos, em 7 de Maio de 2010


Imagem daqui
1. A crise do euro agudizou-se muito. Enquanto estiveram em causa somente a Grécia e Portugal, não havia risco sistémico para a divisa europeia. Mas quando começaram a cair os primeiros estilhaços sobre a Espanha, Angela Merkel teve que se mexer.

Aconteceu um cenário político de pesadelo para ela: ter que passar o cheque antes das eleições na Renânia-Westfália do próximo domingo. É que os eleitores alemães querem tudo menos continuarem a pagar a corrupção dos países do sul e vão votar muito zangados.

2. Desconfiança dos mercados. Ratings a cair. Ministros das finanças, uma espécie de donas Brancas de gravata, a pedirem empréstimos novos para pagarem empréstimos antigos. Tudo ingredientes para o desastre.

Os 110 mil milhões de euros para a Grécia tentam comprar tempo – tempo que, agora, já não é só um tempo grego.

Merece ser lido o discurso de “sangue, suor e lágrimas” que o primeiro-ministro grego fez em 1 de Maio. É um discurso feito por um homem atropelado pela história, um homem que governa um país com a independência condicionada.

O “novo patriotismo” de que fala Papandreou, assente na “meraki” (dedicação ao esforço) e no “filotimo” (sentido do dever), é uma miragem e uma angústia.

As ordens, agora, vêm de fora. E o fardo vai cair, como de costume, sobre os do costume.

3. É imperdível a reportagem da Dão TV sobre a visita a Viseu do secretário de estado Valter Lemos. [3'15'']



O blogue “Viseu, Senhora da Beira”, ao ver aquilo, lembrou-se do ministro de propaganda de Saddam, o pândego Muhammed Saeed al-Sahaf.

O sr. Valter Lemos, com a sua cavilosa incompetência, pôs a educação em pantanas no anterior governo. No actual governo tem a tutela do maior problema do país: o desemprego.

As coisas vão, evidentemente, correr mal.

Sem comentários:

Enviar um comentário