terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Notas en torno a la catástrofe zombi

Daqui



(Opening song)

Hey, sweetheart, no vayas
de picnic al cementerio:
no vayas
a beber al cementerio:
no vayas a drogarte al cementerio:
no te hagas la gótica
esta noche.

Porque las cosas
se están poniendo raras; porque encontraron
un brazo
y el resto de ese cuerpo es un misterio;
porque encontraron
la oreja
de otro misterio
y los dientes de sepa el diablo qué sonrisa;

porque las cosas se están poniendo hardcore:
hey, honey, escucha
esta cancioncita idiota: no vayas
a bailar al cementerio:
no vayas a bailar

al cementerio: no vayas
a bailar al cementerio: quédate conmigo
esta noche.
*

Una mano saliendo de una tumba:

la mano del muerto que al final resulta que no está muerto
o no tan muerto: solo putrefacto:
la mano del zombi:

la mano que sale al final de la película
para anunciar que el final no es el final:
habrá segunda parte.

Así
la mano
que brotó de la tierra
como un cactus monstruoso
en una fosa clandestina al norte de México.

Pero a esa mano nadie la vio
y si alguien la vio no lo dijo
y si lo dijo no le creyeron
y si le creyeron

le creyeron demasiado tarde:

ahora setenta mil zombis asolan a México
según cifras oficiales.

Una mano crispada como una risa en off:
¡la venganza será terrible!

*

1
Los zombis: cadáveres caníbales.

2
Los zombis: muertos insomnes.

3
Los zombis: pústulas de lo desconocido:

una jauría de podredumbres
avanzando hacia ti.

4
Míralos ejecutar
su lenta coreografía de tropiezos:
la danza de una cacería sonámbula donde la presa eres tú.

5
Los zombis: una nueva oportunidad
para que el gobierno
demuestre su ineficacia y corrupción.

6
Los zombis: una nueva oportunidad
para que la sociedad demuestre
su complicidad y corrupción.

7
Los zombis: la descomposición del tejido social en persona.

8
Los zombis:

la persistencia postmortem del hambre y la miseria
avanzando hacia ti.

*


1
¿Cuál es el origen de la catástrofe zombi?

2
¿Qué relación hay
entre la catástrofe zombi y el Enigma de la Casa sin Puertas?

3
“Entrad y encontraréis refugio, hijos míos”,
decía dulcemente, desde el interior de la Casa sin Puertas,
una voz que aseguraba ser la mismísima
Virgen de Guadalupe.

4
Zombi: ¿quién te dijo “levántate y anda”?

¿El jesús-virus desconocido?
¿El jesús-vudú?
¿El jesús-tetrodotoxina?
¿El jesús-radioactividad?

5
La Casa sin Puertas: un impenetrable bloque de cemento
en cuyo interior reverberaba
inexplicable
una voz:

“Entrad, entrad. Una catástrofe se avecina:
hijos míos, pronto, presto, entrad...”

6
¡Pero no se podía entrar!

7
¿Por qué en México?

8
A causa del maíz transgénico, aseguran
los ecologistas.

9
¿El jesús-maíz transgénico?
¿El jesús-violencia extrema?
¿El jesús-drogas adulteradas?
¿El jesús-arma experimental?


10
Jesús no tiene nada qué ver con todo esto,
asegura el vocero de la Arquidiócesis de México.

11
¿Y la Santa Muerte?
¿Qué relación hay entre el culto a la Santa Muerte
y el alzamiento de los muertos vivientes?

12
¿Es posible entender a la Coatlicue
como un antecedente zombi?


13
¿Mictlantecutli era claramente un zombi?

14
“Dense prisa y entrad, hijos míos, antes
de que sea demasiado tarde: no hay salvación
para México, hijos míos, entrad:

¿no estoy yo aquí que soy vuestra madre?”


*


Dicen
que los zombis
son una estrategia del narco
para aterrorizar al gobierno. Dicen que
los zombis son una estrategia del gobierno para aterrorizar

a la población. Dicen que los zombis son una estrategia
de la población para aterrorizar al narco. Dicen
que los zombis son una estrategia del gobierno
para aterrorizar al gobierno. Dicen
que los zombis son una estrategia
del narco

para
aterrorizar
a la población. Dicen que
los zombis son una estrategia del narco para
aterrorizar al narco. Dicen que los zombis son una estrategia
de la población para aterrorizar al gobierno. Y tú, ¿qué dices de los zombis?

Infórmate: escucha Radio Mictlán:
transmitiendo
en vivo

la insurrección de los muertos.
Luis Felipe Fabre



segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Metamorphosis

Fotografia de Hervé Guibert

a girlfriend came in
built me a bed
scrubbed and waxed the kitchen floor
scrubbed the walls
vacuumed
cleaned the toilet
the bathtub
scrubbed the bathroom floor
and cut my toenails and
my hair.
then
all on the same day
the plumber came and fixed the kitchen faucet
and the toilet
and the gas man fixed the heater
and the phone man fixed the phone.
now I sit in all this perfection.
it is quiet.
I have broken off with all 3 of my girlfriends.
I felt better when everything was in
disorder.
it will take me some months to get back to normal:
I can't even find a roach to commune with.
I have lost my rythm.
I can't sleep.
I can't eat.
I have been robbed of
my filth.
Charles Bukowski



domingo, 19 de fevereiro de 2017

Me gustas cuando callas porque estás como ausente



Me gustas cuando callas porque estás como ausente,
y me oyes desde lejos, y mi voz no te toca.
Parece que los ojos se te hubieran volado
y parece que un beso te cerrara la boca.

Como todas las cosas están llenas de mi alma
emerges de las cosas, llena del alma mía.
Mariposa de sueño, te pareces a mi alma,
y te pareces a la palabra melancolía.

Me gustas cuando callas y estás como distante.
Y estás como quejándote, mariposa en arrullo.
Y me oyes desde lejos, y mi voz no te alcanza:
déjame que me calle con el silencio tuyo.

Déjame que te hable también con tu silencio
claro como una lámpara, simple como un anillo.
Eres como la noche, callada y constelada.
Tu silencio es de estrella, tan lejano y sencillo.

Me gustas cuando callas porque estás como ausente.
Distante y dolorosa como si hubieras muerto.
Una palabra entonces, una sonrisa bastan.
Y estoy alegre, alegre de que no sea cierto.
Pablo Neruda


sábado, 18 de fevereiro de 2017

"And Now For Something Completely Different" (#131)

O regresso

Fotografia de Nina Ai-Artyan


Como quem, vindo de países distantes fora de
si, chega finalmente aonde sempre esteve
e encontra tudo no seu lugar,
o passado no passado, o presente no presente,
assim chega o viajante à tardia idade
em que se confundem ele e o caminho.

Entra então pela primeira vez na sua casa
e deita-se pela primeira vez na sua cama.
Para trás ficaram portos, ilhas, lembranças,
cidades, estações do ano.
E come agora por fim um pão primeiro
sem o sabor de palavras estrangeiras na boca.

Manuel António Pina






sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Decadência*

* Publicado hoje no Jornal do Centro 

1. Escrevi este Olho de Gato no dia de S. Valentim, dia cujo romantismo não foi estragado por nenhum míssil de Kim Jong-un (decerto, também ele de coração derretido), míssil que envergonharia, pela segunda vez, a america great again de Donald Trump (decerto, também ele a pensar na sua Melania).


Dia de namoração em que duas femmes fatales norte-coreanas envenenaram Kim Jon-nam**, irmão do líder norte-coreano, no aeroporto de Kuala Lumpur, na Malásia. Terá sido um spray? Uma seringa? Um chocolate em forma de coração?

Este primeiro ponto é uma desconversa pegada, claro. Até porque vai ser lido quando as flores desta noite já serão só murcheza triste, triste como a matéria que se segue.

2. A terceira república está cada vez mais decadente. A entrada dos partidos de protesto na área do poder teve um efeito paradoxal: em vez de parar a queda, está a acelerá-la.

É que a propensão para a opacidade e tolerância perante o negocismo também já infectaram o bloco e o PCP que até já nem com a fossa socrática se incomodam. Só isso explica o voto daquelas ex-virgens púdicas ao lado do PS contra a audição de Armando Vara no inquérito parlamentar sobre a CGD.

3. Já se suspeitava mas agora há provas: a terceira república faz leis para benefício de uma pessoa. Mais: põe o beneficiário a redigir o texto legal que lhe interessa. Aconteceu entre o ministro Mário Centeno e o ex-presidente da CGD, António Domingues.

Não ter havido consequências desta captura privada da decisão governamental tem um nome — decadência.

4. No passado dia 6, Marcelo Rebelo de Sousa lamentou que a Troika “não tenha descoberto há mais tempo” os buracos da nossa banca.


Editada a partir daqui
Ninguém se admirou com o facto de o presidente estar a culpar a Troika daquilo que devia ter sido feito pelas nossas autoridades. Já ninguém estranha nem se revolta, nem o primeiro responsável da república, com esta decadência das nossas instituições.

** Informações sabidas depois de fechada a edição do Jornal do Centro indicam que seriam duas vietnamitas e que usaram spray (ver link)

Chats

Daqui



Si je préfère les chats aux chiens, 
c’est parce qu’il n’y a pas de chat policier.
Jean Cocteau


quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Para o sul de carro*

* Texto publicado no Jornal do Centro há exactamente dez anos, em 16 de Fevereiro de 2007


1. Com a campanha do referendo a monopolizar as atenções, não foi dado o devido relevo às declarações de Alfredo Marques, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), publicadas na edição de 1 de Fevereiro do Jornal de Notícias.

O presidente da CCDRC informou que vai ser feito um concurso público para construção e exploração da auto-estrada entre Viseu e Coimbra e que ela vai ser concessionada a operadores privados e vai ter portagens.

Como o governo não prevê a candidatura desta obra a verbas do QREN, percebe-se, ao longo do artigo do JN, uma enorme ansiedade de Alfredo Marques. Ele quer, à viva força, “vender” a auto-estrada a privados.

Fotografia daqui
Quanto ao traçado, assunto sempre muito melindroso, é melhor ficarmos com as suas palavras exactas: "Vai ter um novo traçado, pelo menos, numa parte do trajecto".

2. Estas são notícias importantes mas não são boas notícias. Foi por isso que não apareceu nenhum político conhecido a dá-las e teve que ser o Presidente da CCDRC a vir dar a cara.

É péssimo esta obra não receber fundos comunitários. Mas não surpreende. Como é sabido, José Junqueiro, o sempiterno líder do PS-Viseu, pesa pouco junto do governo. Os socialistas de Coimbra pesam mais de certeza mas, para Coimbra, esta obra não é tão vital como é para Viseu.

E agora? Que fazer?

Penso que o interesse público impõe que se façam chegar ao governo duas ideias claras e razoáveis:

i) Precisamos com urgência duma auto-estrada entre Viseu e Coimbra com traçado completamente novo e com portagens.

ii) O IP3 deve ser deixado integralmente como está, para servir de alternativa a quem não queira pagar portagens.

Manual para assassinar frangos

Fotografia de Wayne Miller


Às vezes, era o Rio Paraíba do Sul
que desmesuradamente crescia.
E as ruas ficavam cheias de escorpiões,
cobras d'água, lacraias com mil pernas...
parecia um monstro epiléptico e barrento
numa corrida maluca até o mar.

A gente torcia para que o rio subisse mais,
cada vez mais,
para que alguma tragédia
se consumasse, como no cinema.

Queríamos ver casas desabando,
árvores arrancadas à força,
as meninas, descalças,
impedidas de ir à missa dominical,
bêbados patinando no caos,
arrastados até a foz de Atafona,
numa infinita poça de lama e cuspe
que mandávamos para o céu.

Estávamos prenhes de vida
e queríamos a morte de mentirinha.
Sonhávamos com o apocalipse doméstico,
com a bomba asfixiando nossos
pré-sonhos.

O primeiro amor estava ao lado,
nas aulas do Liceu que, às vezes,
assassinávamos
com delicado prazer.

No verão de 66,
o rio ficou irado de verdade,
se emputeceu, invadiu o baú
onde eu guardava meus gibis
trocados antes das matinês do Cine Coliseu.
Adeus minha coleção
tão preciosamente inútil
de David Crocket, Buffalo Bill, Zorro,
Rock Lane, Cavaleiro Negro e etc.

E me lembro dessa grande enchente,
da aniquilação dos pessegueiros,
das parreiras, dos limoeiros, dos frangos,
da horta que minha avó tão bem cuidava.
Abius, mangueiras, bananeiras,
caramboleiras, formigas,
tudo se foi com o rio,
com essa referência geográfica
e conceitual
que ainda hoje tento traduzir.
Tudo se foi com o boi morto
no meio da correnteza,
coberto de urubus.

E no radinho de pilha de seu Bertolino
(que, em uma canoa, ajudava as famílias
a recolherem seus pertences),
os Beatles cantavam “I want to hold your hand”.




Comecei a crescer com os Beatles
(e eles comigo),
a respeitar o rio e a temer seu Leleno,
meu vizinho e flamenguista doente,
que nas tardes de domingo,
quando o seu time perdia, enfiava a porrada
na Dorotéia, sua mulher — e maior torcedora
do Flamengo, por motivos amplamente justificados.

Também havia a Josete,
que ajudou a me descriar
e que tinha um namorado chamado Jomar,
um refinado sem vergonha.
Em 62, o Brasil foi bi-campeão
e Josete imaginava
Jomar fazendo gols nela.
Se Josete gozava, o fazia discretamente,
como os anjos gozam.
No silêncio.

Josete, que hoje é avó,
era filha de Neco Felipe,
um negro caolho e feliz,
que organizava os forrós
em Conselheiro Josino,
interior de Campos dos Goytacazes.
Forrós animados com cachaça, lampiões,
sanfona e alguma voz desdentada,
uivando para a Lua, nas quentes
madrugadas.

Além de Neco Felipe,
conheci outras pessoas felizes
que moravam naquela vila
no verdadeiro cú do mundo,
entranhada na miséria e nos canaviais
(os dois sempre andaram juntos),
com um cemitério
na beira da estrada.

Minha cabeça
se embaralhou toda:
- como é que as pessoas
podiam ser felizes
em Conselheiro Josino ?

Como é que as pessoas
podiam ser felizes
naquela merda,
ao lado de um cemitério
mambembe,
perto de um rio carregando tudo?

Como é que as pessoas
podiam ser ?

Mas as pessoas
eram
e algumas até se
foram.
Martinho Santafé


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Internetiquês

ArtStreet is a free, temporary, multi-disciplinary arts project in Sacramento CA, by M5Arts.


Essa língua montada em megabytes
de usuários de redes e rodeios
de um mói de mensagens nos e-mails
tão fincada nos chats e nos sites,
essa língua tão fadada a ser diet,
descoberta nos vales do silício
é rascunho de novo hieróglifo?
www, nas pirâmides ao avesso,
feitas entre 0 ou 1, desconheço
um tal troço sem fim e sem início.
André Ricardo Aguiar


terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Love is evil



As coisas existem por erro.
É preciso assumir esse erro e ir até ao fim.
Temos um nome para isso: chama-se amor.
Slavoj Žižek


Le verbe aimer

Daqui


Le verbe aimer est l´un des plus difficiles
à conjuguer;
Son passé n´est pas simple,
son présent n´est qu´indicatif
et son futur
est toujours conditionnel
Jean Cocteau