quarta-feira, 14 de março de 2012

A fundura do buraco de Santa Comba Dão (#2)

O sufoco financeiro da câmara de Santa Comba Dão já foi tratado aqui neste blogue mas recorda-se:





Dívida total 
€19 820 769.77
(212% das 
receitas totais)





Dívida com 
atraso no 
pagamento 
superior 
a 90 dias 
€6 148 784.47
(66% das 
receitas totais)






     O autarca de Santa Comba publica hoje um artigo de opinião no Diário de Viseu:
Clicar na imagem para a ampliar
     Como se pode ler, o autarca assume a "grave situação financeira que a Câmara Municipal de Santa Comba Dão atravessa" e malha no ministro Relvas que, nos tempos que correm, é uma espécie de saco de boxe sempre a levar porrada, sempre a rir-se.
     Já os argumentos do autarca santacombadense não se percebem: como é que uma lei, mesmo que seja a Lei das Finanças Locais, pode levar uma determinada câmara ao buraco?
     Lido o artigo há que fazer a seguinte pergunta a João Lourenço: todas as câmaras do país com "densidade populacional" e "território" idênticos aos de Santa Comba Dão estão falidas como a sua?
     Se sim, João Lourenço tem razão e é preciso mudar a lei.
     Se não, o autarca da "marca Salazar" não tem razão e os apuros financeiros do município são da sua responsabilidade e não das costas largas da Lei das Finanças Locais.

7 comentários:

  1. João Lourenço, segue a passos largos para um orgulhosamente sós!!

    ResponderEliminar
  2. "Orgulhosamente sós", onde é que eu já ouvi isso?!
    ;)
    Abraço, Miguel Fernandes!

    ResponderEliminar
  3. Provavelmente no rótulo do "Memórias de Salazar".
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aquela notícia do Público era spin foleiro, não era?
      Nada daquilo batia certo.
      :-)

      Eliminar
  4. Sinceramente espero que não passe disso mesmo, spin foleiro.
    Não me oponho à criação de um espaço sério referente ao "Estado Novo", agora registar a "marca" parece uma ideia no mínimo caricata.

    ResponderEliminar
  5. Com uma dívida tão grande certamente terão mais em que pensar. Mas a opinião pública tem de ser entretida. E voltamos à espuma dos dos dias!

    ResponderEliminar