sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Legislativas (#3)*

* Texto publicado hoje no Jornal do Centro


1. Tal como em 2009, as eleições de domingo vão resultar num governo minoritário. A maioria de esquerda de há seis anos com 128 deputados foi estéril, a de agora com 122 estéril vai ser.


A esquerda está mais fraca e essa fraqueza reside no PS que, desde a bancarrota financeira e ética do socratismo, nunca mais pôde com uma gata pelo rabo (o deputado do PAN me perdoe a metáfora).

Em 2009, Sócrates sabia que era impossível um “ménage à trois” com Louçã e Jerónimo. Agora, seis anos depois, temos a mesma matemática e o mesmo amor. Costa e Jerónimo nunca vão ser o “Jules e Jim” de Catarina Martins, nem que os fechemos aos três na mesma sala a ver, em sessões contínuas, a obra-prima de Truffaut.

A maioria de esquerda há-de servir para acabar com o aconselhamento psicológico obrigatório às mulheres antes de um aborto, essa aberração que a direita impôs já este ano, e há-de servir para outras matérias civilizacionais. Por exemplo, na eutanásia. E há-de servir para impedir alguns excessos da direita. Para pouco mais servirá.

2. Pedro Passos Coelho teve nervos de aço e adoptou uma estratégia nada intuitiva: quanto menos fizesse ou dissesse, melhor.

A esta campanha zen e breve da direita, respondeu Costa com um longo e arrastado chorrilho de asneiras — socratizou em Outubro e syrizou em Janeiro; entregou as listas ao aparelho em vez de fazer primárias e encerrou a campanha com uma ideia eleitoralmente tóxica: galambizar, perdão, chumbar o orçamento mesmo ainda antes dele estar feito.


3. Mesmo depois de quatro anos duros, a direita viseense conseguiu ganhar em todos os concelhos e manter os mesmos seis deputados. Mérito de Mota Faria, demérito de António Borges, o líder distrital do PS.

Em 2013, António Borges escolheu para lhe suceder em Resende um fraquíssimo presidente da câmara. Em 2014 arrastou o concelho para o beco-sem-saída segurista. Abusou daquela boa gente e agora levou a paga: nem lá conseguiu ganhar.

2 comentários:

  1. VOLTINHAS POPULARES

    “Não vires o bico ao prego
    Porque o pregar tem dois bicos:
    Se virares, com teu apego,
    O bico, coração cego,
    Pagarás depois os micos.”

    As razões da derrota de António Costa são múltiplas, mas há uma a que dou especial relevância: Costa não conseguiu estruturar um discurso que passasse uma mensagem clara aos cidadãos e que fosse alternativo ao simplismo da coligação. Costa não conseguiu transmitir aquilo de que mais se orgulhava e tentou vender nos cartazes: confiança.

    Mas o assunto agora não é o balanço do que foi, é a expectativa do que será.

    E neste contexto, há muitos anos que penso e defendo o que vou escrever a seguir.
    Este momento político pode ser breve e inconclusivo mas terá que dar resposta a uma pergunta que muitos fazemos há tanto tempo: a direita tem o monopólio de acordos, coligações, entendimentos….?

    Não sei como será o amanhã, mas estou a gozar o momento, a gozar o cagaço da direita (basta ver o título do Público de hoje (sábado 10 Out) – como se fosse obrigação de Costa apresentar propostas de entendimento a Passos/Portas) e dos comentadores “bem pensantes” completamente baralhados.

    O dito presidente de uma República já tinha “tudo” pensado, mas por esta não esperava.
    E dentro do PS as declarações dos “Lellos”, bem representados em Viseu, que anseiam por um regresso às “abstenções violentas” e apoiam uma candidatura presidencial favorável à direita, deixam um vazio que alimenta a tese da sua própria impossibilidade como alternativa.

    A verdade é que o próximo governo de Portugal tem de romper com o rumo dos últimos quatro anos se quiser impedir que o país tombe na completa indigência. O governo e o Parlamento têm de aprender a viver no mundo real, em vez de fugir para o reino da fantasia. A vocação dos socialistas não é servir de muleta à Direita nem de bode expiatório à Esquerda. O PS está no centro dos debates e da construção de soluções, sem interlocutores privilegiados, porque o Parlamento é, por definição constitucional, "a assembleia representativa de todos os cidadãos portugueses"

    E será que não há um mínimo de denominadores comuns entre a esquerda? Claro que sim. E essencial são os valores de ABRIL – justiça social, reforço da escola pública, do SNS e do sistema de pensões, para já não falar da reposição imediata dos feriados do 5 de outubro e do 1º de dezembro, bem como no reforço dos direitos dos trabalhadores, da contratação colectiva, no aumento do salário mínimo…

    “Sejamos realistas, peçamos o impossível”, não era esse um slogan de Maio 68? A tese de que o PS se tramou porque virou à esquerda carece de comprovação factual. Alinhar pela retórica sem estratégia, apenas porque sim, esquecendo a realidade sociológica e política do Portugal democrático, seria um erro clamoroso, ditado por uma teimosia sem visão, só capaz de reforçar a vitória da direita, oferecendo-lhe “de bandeja” mais uma década de poder, e em circunstâncias de fácil destruição do Estado e direitos sociais. Mas, para aqueles que “à esquerda” vaticinaram o fim das ideologias, que “isso de esquerda e direita já era”, que agora a retórica florida bastaria para convocar as massas e inebriar os movimentos sociais, atenção... muita atenção... a realidade... chegou. E por tudo isto gostava que o PS não confundisse “a estrada da Beira, com a beira da estrada”.

    A concluir: quais as minhas expectativas? Reduzidas. Pois eu sei, tu sabes, ele sabe, que quem manda são as multinacionais (nas suas múltiplas formas). O estado deixou de ser a encarnação da soberania do povo para se tornar uma central de interesses onde os princípios democráticos são apenas pretexto.

    Mas dá um certo gozo, mesmo (podendo ser) passageiro!


    ResponderEliminar
  2. Bem haja NOVE a ZERO!

    De Angola chegam relatos que ‪Luaty‬ Beirão, detido desde junho, se encontra em estado crítico. O artista conhecido como ‪‎Ikonoklasta‬, que tem dupla nacionalidade, está há 18 dias em greve de fome. Protesta contra o facto de ter sido preso com outros 14 jovens por se reunirem pacificamente para discutirem a democracia em ‪‎Angola‬.

    “Somos todos Charlie”? Uma PORRA !

    ResponderEliminar