sábado, 17 de novembro de 2012

PAEL — uma bóia de salvação para câmaras afogadas em dívida

     O Programa de Apoio à Economia Local teve ontem as primeiras assinaturas, na presença e impulso do doutor Miguel Relvas.
     O programa I do PAEL é para as autarquias em ruptura financeira e obriga-as a subir impostos e taxas para os valores máximos (isto é, as câmaras ficam como o país está em relação à troika).
     Já no programa II, destinado a câmaras não na situação aguda das anteriores mas mesmo assim com dívidas acima de 90 dias, há menos exigência mas elas também são obrigadas a subir as taxas municipais (ficam assim como a Espanha: ainda não é mandada por nenhuma troika mas já não é 100% autónoma).
     Sirva o que ficou explicado nos parágrafos anteriores para vacina nas próximas eleições autárquicas: eleitorado que eleja doidos com a boca cheia de "obra" e outras despesices, será eleitorado condenado ao IMI máximo, IRS máximo e taxas máximas. E será muito bem feito.
     Segue-se a lista dos municípios do distrito de Viseu que formalizaram ontem a sua adesão ao PAEL. 

Faltam ainda 
outros, já que  
esta lista de seis 
não incorpora 
os em maiores dificuldades (confira-se aqui), 
a começar pela 
mais falida das
 24 câmaras 
do distrito, 


Armamar — €1 072 800,00
Lamego — €12 304 304,00
Nelas — €2 069 148,66
Oliveira de Frades — €511 110,22
S. Pedro do Sul  — €3 454 763,05
Vila Nova de Paiva — €592 066,00

Notas: não se conseguiu, com a informação disponível, perceber quais destas autarquias assinaram o programa I ou o programa II.

4 comentários:

  1. http://www.cm-nelas.pt/index.php/en/actas-cmn/finish/77-actas-2012/587-reuniao-de-29-de-setembro-2012-reuniao-extraordinaria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Alexandre Borges
      O precioso link colocado no sítio devido
      Obrigado e um abraço

      Eliminar
  2. O PAEL - mesmo na versão fofinha - vai ajudar a enterrar muitas das autarquias aderentes. Daqui por um ano veremos se algumas delas não estarão em incumprimento bancário...

    ResponderEliminar
  3. Enquanto houver por cá umas empresas que dêm lucro para privatizar, ou qualquer coisa para vender a russos ou chineses, esses senhores não pararão de nos enterrar. É mais importante acudir ao rebanho de afilhados.

    ResponderEliminar