sexta-feira, 1 de julho de 2016

Fósforos*

* Texto publicado hoje no Jornal do Centro

1. A polémica dos "contratos de associação" dos colégios serenou. Já não há ecos daquela manif patética promovida por Mário Nogueira, nem das anteriores com camisetas amarelas. Em Viseu, esta via-sacra vai colocar quatro turmas pagas pelo orçamento de estado no santo regaço do Colégio da Imaculada Conceição.

A geringonça poupou 32 milhões de euros em contratos de associação redundantes. Esta estragação de dinheiro dos nossos impostos já devia ter acabado há muito tempo. Pelo menos desde o tempo em que a ministra Maria de Lurdes Rodrigues se espaventava em luzidias cerimónias nos colégios do grupo GPS, esse gambozino do bloco central que tão bem medrou na região centro.

Foi uma ironia ver a esbanjadora geringonça poupar dinheiro público enquanto a "poupadinha" caranguejola o queria estragar.

Como lembrei logo no início deste conflito, no blogue Olho de Gato, o ensino superior público é percepcionado pelas pessoas como melhor do que o ensino superior privado. Pelo contrário, o ensino não superior público é, em geral, visto como pior do que o ensino não superior privado. Acabar com exames e meter provas de aferição faz-de-conta, como foi feito pelo infelizmente ainda "ministro" da educação, só veio agravar ainda mais esta percepção.

Quem pode põe os meninos nos colégios para, depois, mais facilmente eles entrarem nas melhores universidades públicas. Quem não pode, sujeita-se ao eduquês facilitista das escolas públicas.

Esta polémica dos contratos de associação não serviu, nem um bocadinho, para resolver o problema da má imagem das escolas públicas. E resolver isso é que é essencial.

2. No referendo do Reino Unido não ganhou nenhuma ideia "anti-neoliberal" ou "anti-austeritária". O Brexit não foi de esquerda, foi de direita populista e identitária, foi voto nacionalista e anti-imigração.


Percebeu, Catarina Martins? 
Evite brincar com fósforos junto da gasolina referendária. Deixe esses incêndios para Marine Le Pen.

Fotografia Olho de Gato




2 comentários:

  1. Assuntos sérios.
    Nem é necessário GPS para servir de orientação, bastava seguir a rota da lei.
    Mas, quando a educação se transforma num negócio temos, por exemplo, os centros de explicações a induzirem orientações pedagógicas e científicas...

    E já agora, o Relvas volta à condição de finalista de liceu.
    Vai apanhar o autocarro para Lloret del Mar !!!

    "Podemos ou Podíamos" ir com ele e com a "iluminada" Catarina?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O PODEMOS poder podia mas, de 20D para 26J, 1,1 milhões de espanhóis "deschavizaram-no".
      Antes assim.
      :-)

      Eliminar