terça-feira, 15 de março de 2016

Sobre direitos e privilégios ou esta raiva a crescer-nos nos dentes

Fotografia de Ewa-Marie Rundquist


O mundo não é feito de pessoas, nem de casas, nem de coisas.
O mundo é feito com palavras perfiladas
como pedras
sobre pedra e
em cima de outra pedra, ainda.

São de palavras de pedra, as paredes do mundo:
direitas e exactas como um fio de prumo.

Se nos tiram a língua,
as várias línguas que tem a nossa língua:
esta língua com que te falo,
a língua com que te beijo,
esta mesma língua com que digo esse nome que tu és,
roubam-nos mais mundo ao nosso mundo.

E um mundo rente, sem paredes, raso ao chão,
que não se tenha de pé e num pé direito
tão alto que lhe caibam todas as palavras empilhadas
é um mundo do reverso e do regresso
em que ao privilégio absurdo de viver se segue
o direito adquirido de sofrer.
Rita Taborda Duarte


Sem comentários:

Enviar um comentário