sexta-feira, 18 de março de 2016

Ferrugem*

* Texto publicado hoje no Jornal do Centro



1. Ao contrário do que aconteceu em 2005, quando Paulo Portas queria Telmo Correia como seu sucessor e lhe saiu na rifa José Ribeiro e Castro, desta vez as coisas correram sem sobressaltos: Paulo Portas “entregou”, no passado fim-de-semana, a liderança do CDS a Assunção Cristas.

Por enquanto, ainda só tivemos dois “Matusaléns” à frente de partidos: Álvaro Cunhal e Paulo Portas. Este dirigiu o CDS de 1998 a 2016, com um intervalo de 2005 a 2007. A sua chegada à chefia do CDS foi memorável. Essa “primeira vez” foi descrita aqui, num Olho de Gato, da seguinte maneira:

De súbito, irrompem aplausos no fundo da sala. O povo do CDS vira a cabeça. Sorrisos no ar. Cenhos franzidos nas elites. Palmas. Metronicamente, Ele entra. Ele. O Messias. Paulo Portas, saudado pela sala em pé, caminha enérgico a olhar para Manuel Monteiro. A turba agita-se. As televisões seguem a cena. Paulo Portas mais próximo. A sala paroxiza-se. As meninas jotas ruborescem. As madames têm princípios de delíquios. Os cabos de votos do Minho acenam que sim com a cabeça.

Paulo chega à mesa. Aperta energicamente a mão a Manuel. No tempo de um aperto de mão, Paulo “é”, Manuel “era”.

Este foi o mais cinemático “homicídio” político da nossa terceira república. Só podia ter sido protagonizado pelo cinéfilo Paulo Portas.

A liderança de Paulo Portas deixa, como passivo, os submarinos do Jacinto Leite Capelo Rego. Mas deixa um activo que suplanta esse passivo: a Paulo Portas se deve não ter medrado eleitoralmente à direita um populismo nacionalista e eurocéptico como há por essa “Europa” fora.

Resta ver o que os seus “jovens” 53 anos querem fazer no futuro.

2. O syrizista bloco de esquerda acaba de votar contra o apoio de 106,9 milhões de euros à Grécia. Isso mesmo: todo aquele “esganiçamento” bloquista pelo povo grego era, afinal, treta OXIdada.

Há ferrugem nos apoios parlamentares da “geringonça”. Esta já teve que ser salva duas vezes pela "caranguejola" da direita.

Sem comentários:

Enviar um comentário