segunda-feira, 9 de junho de 2014

Máscaras

Lazarim, Fevereiro de 2012
Fotografia Olho de Gato


O homem com a máscara brincando
Até chegar a hora em que o seu rosto
Partilhava com ele uma só vida:
Já miúdo a história me punha indisposto.

Negava-me a aceitar. Quando crescesse,
Ia mostrar que outra maneira havia:
Que cada máscara, sem dor ou risco,
Como um capuz tirar-se podia.

Fiz disso muito tempo um firme credo.
Escondi, confiante, a minha natureza.
Extinto o fulgor do jogo que eu fazia,
Teria ela a original pureza.

Hoje sou velho, só para admitir:
A história é real. A máscara agarrou-se.
É como habituares-te ao inferno.
Como se olhar vazia cova fosse.
Gerrit Komrij




Obrigado, JB, pela sugestão musical.

Sem comentários:

Enviar um comentário