domingo, 4 de março de 2018

Um poema à beira da fogueira

Por Ernest Zacharevic (arte ambiental)


Que delito fiz eu para que sinta
o peso desta aspérrima cadeia
nos horrores de um cárcere penoso
em cuja triste, lôbrega morada
habita a confusão e o susto mora?
Mas se acaso, tirana, estrela ímpia,
é culpa o não ter culpa, eu culpa tenho.
Mas se a culpa que tenho não é culpa,
para que me usurpais com impiedade
o crédito, a esposa e a liberdade?
António José da Silva



Sem comentários:

Enviar um comentário