quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Entre ancas fecundas e minguadas cinturas

Daqui



Entre ancas fecundas e minguadas cinturas
Em regaços de trevas, noites que eu vivia!
E brancas e morenas me atravessavam a alma
Tal qual o gume branco ou a lança sombria;
No remanso do rio, que noites deleitosas
Com quem lua crescente em seu pulso trazia!
Do manto que tirava erguia esbelto ramo
Viçoso: uma flor que do cálice rompia.
Al-Mu'tamid (séc. XI)


Sem comentários:

Enviar um comentário