sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Oxalá*

* Texto publicado hoje no Jornal do Centro



1. Em 19 de Agosto de 2003, faz hoje exactamente 13 anos, um camião-bomba destruiu o quartel-general das Nações Unidas em Bagdade, causando vinte e três mortos, entre eles o chefe da missão de paz, o brasileiro Sérgio Vieira de Mello.

Dez dias depois, segundo golpe no triunfalismo do sr. George W. Bush: um carro-bomba atingiu a mesquita do aiatola Mohammed Bakir al-Haqim, líder espiritual xiita e defensor de um Iraque democrático. Morreu o clérigo e mais 124 fiéis.

Ninguém no ocidente percebeu o que se estava a passar. Estes dois ataques suicidas foram atribuídos a gente leal a Saddam Hussein que, nesta altura, já estava confinado a um buraco.

O ocidente não percebeu, mas, como explica Loretta Napoleoni, no seu livro “A Fénix Isâmica, O Estado Islâmico e a Reconfiguração do Médio Oriente”, o movimento jiadista percebeu o recado: havia dois alvos a flagelar — o ocidente e os xiitas. Abu al-Zarqawi era o autor desta estratégia que desagradava a Osama bin Laden cuja mãe era xiita.

O carro-bomba de 29 de Agosto, por curiosidade, foi guiado por Yassim Jarrad, pai da segunda mulher de al-Zarqawi. Nos dois anos seguintes, o líder jiadista foi aumentando a sua capacidade militar e, em 2006, já ocupava largo território em volta de Bagdade, obrigando a uma mobilização de 130 mil tropas norte-americanas para a reconquista do “chamado «triângulo da morte» a sul da capital”. Em 8 de Junho de 2006, al-Zarqawi foi abatido pelos americanos que tinham a sua cabeça com um prémio igual à de Osama: 25 milhões de dólares.

O líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, tem procurado continuar a “obra” de al-Zarkawi. Aproveitou o caos no Iraque e na Síria para dar território à jiade sunita. O seu “califado” parece estar a encolher agora. Oxalá.

2. No segundo trimestre, a CGD perdeu 1,4 mil milhões de euros de depósitos. 


A secar
Fotografia Olho de Gato

É o que dá a conversa mal parida sobre imparidades e buracos no banco público e meses atrás de meses sem nenhuma decisão.

4 comentários:

  1. e o que se faz nestes casos? aumenta-se o numero de administradores...
    povo triste.

    http://observador.pt/2016/08/18/governo-quer-mudar-a-lei-para-aprovar-oito-administradores-chumbados/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Triste figura esta do secretário de estado

      A lei é suposto ser geral e abstracta, mas a criatura não sabe

      Eliminar
  2. BCE vetou Leonor Beleza???
    Não entendo. Era sangue novo na politica portuguesa (eheh)!!

    E já agora aproveito para mostrar minha solidariedade publica aos companheiros Paulo Portas e Hélder Amaral que foram a Luanda declarar:"há muitos pontos e comum entre MPLA e CDS". A senhora do vestido kiwi descascado não entendeu. É natural.
    Fico é aborrecido por não terem convidado o Assis e o pessoal do leitão da Bairrada e o grupo todo dos 9/0 de Viseu.
    Todos deixara de ser afrocepticos.
    Somos sempre todos Charlie,carago!

    (e não deixem de publicar fotos de crianças daquela terrinha lá longe que leva com umas bombas. Dá boas fotos e discussão estética)

    ResponderEliminar
  3. Recebi umas mensagens contundentes sobre o meu comentário ao menino de Alepo.
    Nitidamente não perceberam. Lamento!
    Como me estou nas tintas para os mensageiros das virtudes e do politicamente correcto,recordo que está a fazer um ano (1setembro) que o mundo se comoveu com a imagem de uma criança imóvel numa praia...ainda há memória?
    Pois é,o mundo só se comove durante 24 horas!
    A merda das lideranças dos poderes mundiais permite a barbaridade diária.
    Os interesses,os jogos,os esquemas,os negócios têm"pontos em comum",não é ?
    Para os que tiveram o trabalho de me enviar mensagens pergunto:
    há terror bom e terror mau?
    há terrorismo bom e terrorismo mau?
    Vão-se federar!
    Vocês só sabem uma música: assobiar para o ar!

    ResponderEliminar