quinta-feira, 14 de abril de 2016

PS - Viseu*

* Texto publicado no Jornal do Centro há exactamente dez anos, em 14 de Abril de 2006



1. Defendo o princípio republicano da renovação dos políticos. É decente defender-se que não deve haver lugares políticos vitalícios ou transmissíveis de pais para filhos ou para os protegidos ou para os que dizem sempre ámen e acartam a pasta do chefe.

É bom que haja renovação e essa só se consegue com leis que impeçam a perpetuação no poder dos mesmos. A lei de limitação de mandatos em vigor, que só se aplica a Presidentes de Câmara, é insuficiente. A limitação de mandatos devia começar pelo Parlamento, sítio político do país onde há mais dinossauros por metro quadrado.


2. José Junqueiro é Presidente da Federação de Viseu do PS há 14 anos e acaba de se candidatar a mais um mandato de dois anos. Penso que estar dezasseis anos ininterruptamente num lugar político é mau. Por isso, acho que José Junqueiro não se devia ter recandidatado.

Tenho estima por José Junqueiro e admiro a sua inteligência e capacidade de trabalho. Só que, como é natural e humano, ao fim deste tempo todo, José Junqueiro já não tem uma ideia nova para o distrito de Viseu. Percebe-se muito bem isso se lermos com atenção a sua Moção ao Congresso Distrital.

Era bom que o Congresso de Maio do PS-Viseu fosse algo mais que cumprir calendário, mas tal não é provável, infelizmente.

3. Daqui a dois anos, em 2008, embora possível estatutariamente, uma eventual “nova” candidatura de José Junqueiro à Federação Distrital do PS será um erro ainda maior que este.

Dois anos passam depressa é o que me resta dizer, para já, aos viseenses em geral e aos socialistas do distrito em particular.

Sem comentários:

Enviar um comentário