domingo, 24 de janeiro de 2016

A estrada branca

 Irène Jacob, fotografia de Krzysztof Kieslowski
A dupla vida de Véronique (1991)



Atravessei contigo a minuciosa tarde
deste-me a tua mão, a vida parecia
difícil de estabelecer acima do muro alto

folhas tremiam
ao invisível peso mais forte

Podia morrer por uma só dessas coisas
que trazemos sem que possam ser ditas:
astros cruzam-se numa velocidade que apavora
inamovíveis glaciares por fim se deslocam
e na única forma que tem de acompanhar-te
o meu coração bate
José Tolentino Mendonça





Sem comentários:

Enviar um comentário