sábado, 5 de dezembro de 2015

Mediadora da palavra

Fotografia de Matthias Vriens-McGrath





Um rumor irrompe das nocturnas
margens. Sombras deslumbrantes.
Um fulgor que desnuda e que despoja.
Campo de água ágil. Dança

imóvel. Uma cegueira arde
incendiando o tempo. Pátria
áspera de delicado alento.
Soberano marulhar do inexplorável.

Unânime é a pedra. Selvagem
a palavra despedaça a língua.
Um silêncio central domina e orienta
a substância primária. A palavra inicia.

Rapidez da água entre resíduos
obscuros. Talvez o diadema.
Talvez a obscura dança aérea.
O leve poder do fogo, as suas marcas

ácidas. Pulsação
dos pontos. Ardor do silêncio
no noturno centro. Fulgor do desejo.
Uma deusa de água espraia-se nas palavras.
António Ramos Rosa

Sem comentários:

Enviar um comentário