domingo, 18 de outubro de 2015

Poema de amor para uso tópico

Foto de Ikko Narahara

Quero-te, como se fosses
a presa indiferente, a mais obscura
das amantes. Quero o teu rosto
de brancos cansaços, as tuas mãos
que hesitam, cada uma das palavras
que sem querer me deste. Quero
que me lembres e esqueças como eu
te lembro e esqueço: num fundo
a preto e branco, despida como
a neve matinal se despe da noite,
fria, luminosa,
voz incerta de rosa.
Nuno Júdice

2 comentários:

  1. E isto é o quê?
    De que lado estamos?
    "Que merda de país é este?"

    E a falta de solidariedade de uma parte da esquerda portuguesa com estes jovens angolanos?

    http://www.redeangola.info

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma vergonha e um desespero, JB

      Uma merda de esquerda, essa, JB
      :-(

      Eliminar