sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Maldito sejas*

* Reedição 





Maldito sejas, tinhoso, e que tantos piolhos te cubram como de estrelas tem o céu com a lua nova!

Que a sarna, a herpes e a câncero te roam dos pés à cabeça como os cães quando têm fome!

Que te dê uma foeira e te derretas pelo ânus como um odre de azeite pelo pernil!

Que tenhas tanta fome que comas tua mãe viva e desenterres os ossos de teu pai para os esburgar!

Que tenhas uma dor de pedra que te saia o mijo pelos olhos!

Que se te tape a tripa e deites pela boca como o cântaro quando está cheio!

Que morras com os dentes a tocar castanhetas e os Diabos do Inferno dancem ao compasso!
Aquilino Ribeiro


Sem comentários:

Enviar um comentário