sexta-feira, 24 de abril de 2015

O Sena não se vende


Dizem alguns directores literários
(e accionistas da própria propaganda)
que «o Sena não se vende». E é verdade:
Não vende. Só as putas se vendem.
E em Portugal são tantas que não há
bolsas bastantes para comprá-las,
nem caralhos bastantes
para fodê-las como mereciam.
Jorge de Sena



10 comentários:

  1. «o Sena não se vende».
    Não vende.
    Só as putas se vendem. - Jorge de Sena

    PS/PSD/PP querem estabelecer que a cobertura de uma campanha eleitoral não pode admitir comentários e opiniões dos cobridores. Concordo.
    A campanha só devia passar na AR-TV. Comentadores? Só em circuito fechado.
    E durante “seis meses” teríamos um caudilho e estarmos caladinhos que nem ratinhos!
    Ficávamos mais felizes sem liberdade de imprensa e até poderíamos ter uma adequada democracia sem povo.

    Desculpem incomodar mas estes senhores não foram aqueles da cena do sou charlie na assembleia e tudo?
    Eles vão ter que voltar atrás, mas o assustador é pensar que era isto que eles queriam.
    Lápis azul eleitoral, volta que estás perdoado!
    E os "nove zero" de Viseu apoiam este lápis azul recauchutado?

    Como diz o Sr Gato, Je suis Rafael Marques de Morais!

    Glória Eterna aos Homens de Abril que abriram as portas da Liberdade!
    «o MAIA não se vende»

    ResponderEliminar
  2. As putas não se vendem! alugam-se. E algumas à hora, certo?

    ResponderEliminar
  3. Alugar aplica-se a bens móveis, arrendar aos imóveis. As putas e os paneleiros o que serão?

    ResponderEliminar
  4. “ Na verdade a “ mais antiga profissão do Mundo” surge por opção (poucas? vezes), por necessidades financeiras, pelo meio social em que as pessoas estão inseridas (baixo), pela falta de perspetivas (alternativas miseráveis), pela necessidade do consumo de droga, pelo tráfico e escravatura sexual, pelo abuso sistemático de crianças que são vendidas pelos pais ( Brasil), pelas filhas de mães prostitutas,…
    … e…pelas “necessidades” dos homens ( ou mulheres) quando não têm alternativa em casa, por solidão, por motivos religiosos (“ só se pode ter sexo para ter filhos”), porque são abjetos, pela aventura, porque as mulheres são fáceis de conseguir, estão disponíveis, por aí, são um objeto ( pois já não são seres humanos , são apenas prostitutas), porque é fácil o abuso físico, abuso verbal, o estupro, o assédio sexual , denegrir de uma forma selvática( a palavra dignidade desaparece por completo), e… será que quando um homem “dá conta” que a mulher está a ser escravizada, denuncia ou continua impávido ou sereno?...e ainda: será que o “homem” se esquece que tem mãe e irmãs? Ou só acontece nas famílias dos outros, as tais da pobreza triste?
    enquanto que:
    …a sociedade lava daí as mãos, coexiste pacificamente, estabelece gettos, as autoridades exploram a situação ( porque não?, é só mais um) e os homens que se sujeitam a todo o tipo de doenças, voltam para casa, de alma lavada, certos do cumprimento da sua missão de prazer, mais calmos, e a sociedade continua a honrá-los como se fossem uns garanhões cheios de necessidades,…
    …é por isso que o mundo( os homens) é cada vez mais violento com as mulheres, consideradas inferiores, limitadas ao seu papel de donas de casa e mães, pois no exterior “ do lar” existem as opções que complementam os seus prazeres, vícios, etc. e dentro do lar a violência doméstica persiste em larga escala, continua a existir a pedofilia, a escravatura sexual…
    … e não só: há cada vez mais casos de pedofilia no seio da família : será por falta de dinheiro para “ usar” prostitutas?
    … é esta dignidade ou indignidade que se reflete num mundo de tráfico, de abuso de poder, de pedofilia encapotada, de indiferença, de desumanização, de negação da igualdade do género, etc.
    Conclusão: Jorge de Sena foi : poeta, crítico, ensaísta, ficcionista, dramaturgo, tradutor e professor universitário português, viveu entre 1919 e 1978, num tempo salazarista e não só, sobejamente conhecido pelos preciosismos sociais e de desigualdade de género. Está explicado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Explicado nada, senhor anónimo das 11:25, meter Jorge de Sena no saco do "salazarismo" é uma aberração.
      Jorge de Sena é um espírito da liberdade. Inquebrantável. E que não se vendia.

      Eliminar
    2. Sr. Joaquim Alexandre Rodrigues:
      Não me parece que seja assim tão ignorante já que o Sr. Google tem muitas respostas( algumas assim, assim). Não se trata de achar que Jorge de Sena tenha sido Salazarista, Ainda bem, óptimo. A questão não é essa, mas sim o contexto, apenas. As mentalidades não mudam linearmente, assim o entendo. E a forma de inferioridade como a mulher era vista perpassava e perpassa na sociedade. O antes até nem tem tanta importância assim, mas sim o hoje e o futuro. Claro que é muito fácil estar do lado do elo mais forte e assim poder-se dizer tudo o que bem lhe apetece. Enfim. É o que temos, mas é assim que o mundo não progride enquanto os fundamentalismos e a falta de respeito pelos direitos humanos grassar pelo Mundo. É triste! Além disso as figuras de destaque e intelectualmente reconhecidas, por este ou aquele facto, não são mais nem menos do que os pobres que vivem na sarjeta, porque não tiveram a sorte de nascer em berço de ouro ou de serem dotados de uma inteligência " superior". Afinal " Todos os Homens nascem livres e iguais em direitos".

      Eliminar
  5. Ainda a tentativa de nos calar:
    O maior inimigo da liberdade de pensamento: a ROLHA!
    Abomino as bestas, pintadas de poder.

    E ainda Sena:

    A Portugal
    Esta é a ditosa pátria minha amada. Não.
    Nem é ditosa, porque o não merece.
    Nem minha amada, porque é só madrasta.
    Nem pátria minha, porque eu não mereço
    A pouca sorte de nascido nela. (…)

    E Portugal foi muito mesquinho, ignorante, ingrato, triste e pulha como tratou Jorge de Sena, sobretudo no pós 25 de Abril. Uma “elite” universitária incapaz (invejosa) de o convidar para professor em qualquer Universidade; “ó terra de ninguém, ninguém, ninguém” que nada faz para reconhecer este grande português.
    O resto é blá...blá....

    ResponderEliminar
  6. Em vésperas do dia da Liberdade, vamos comemorando a liberdade de expressão. Livres para manifestarmos a nossa opinião sobre ideias, obras, pensamentos, atitudes. Ainda bem, pois com certa "elite", as pessoas ( o povo) seriam esmagadas. Além disso o 25 de Abril é a Revolução dos Cravos, pacífica, onde os valores de solidariedade, igualdade e liberdade possibilitaram trazer mais oportunidades/ justiça para todas as classes sociais, o que está a desaparecer ( infelizmente).25 de Abril sempre!

    ResponderEliminar
  7. MEMÓRIAS de um combatente:

    Faz hoje três anos que morreu Miguel Portas (aos 53 anos)
    24/04/2012

    Isto também é ABRIL !

    ResponderEliminar
  8. As voltas, em termos de comentários, para não dizer mesmo a deriva, que deu um poema em que Jorge de Sena ironiza sobre a sua falta de êxito junto do (grande) público e sobre os facilmente vendáveis seus contemporâneos...
    People are strange... lai-lai-lai

    ResponderEliminar