sábado, 14 de março de 2015

Tédio

Fotografia de Peter Lindbergh



Há instantes tão longos,
há horas tão monótonas,
há dias tão pesados,
que perdoamos à vida
só porque vai passando...
Alberto de Serpa


3 comentários:

  1. Sr Gato, tédio é palavra que a programação da ACERT/ Tondels não conhece.
    Ontem (13) mais uma excelente noite de espectáculo,juventude e convívio.
    Tocou,brilhou,encantou o excelente Paulo Furtado ou seja Legendary TigerMan.
    Uma plateia entusiasmada e rendida ao profissionalismo do Paulo e dos músicos acompanhantes.
    Sabe,sr Gato, para ver o brilhante Frankie Chavez tive que ir a Seia; para acompanhar os Paus (que força de som!) tive que ir a Coimbra, etc.
    Só falo de portugueses (evito falar de Seu Jorge,em Tondela,etc).
    Mas será que são grupos ou artistas que podem "fazer cair o estuque" ou "estragar alguma tábua do palco" do Teatro Viriato?
    Não são suficientemente "bons" para os programadores locais?
    Não interessa, pois tédio não há na ACERT.
    Que não lhes doa a voz.
    Obrigado!

    ResponderEliminar
  2. Olá.
    Achei curioso o comentário. Afinal há mais gente em Viseu a pensar o mesmo que eu. Lamento mas o Viriato está um tédio.

    ResponderEliminar
  3. Pedindo desculpas ao autor do blogue (pelo desvio topical ao seu belo post), junto-me ao coro de críticas à programação do Teatro Viriato...
    Quando havia mais dinheiro e não havia portagens nas SCUT, os viseenses podiam ir ao TMG, a Vila Real ou ao Aveirense ver / ouvir o que o Viriato não lhes oferecia... Agora é mais difícil.
    A programação do Teatro Viriato privilegia a dança, o teatro e o novo circo em detrimento da música. E, dentro da música, apenas tenho visto por lá bons concertos de jazz ou música erudita. Analisando a programação dos teatros vizinhos, observa-se, com pena, que muitos artistas vão a Aveiro, à Guarda, a Vila Real, a Coimbra... e não passam por Viseu.
    Já que estamos no domínio da pura apreciação / opinião pessoal, e embora reconheça o valor da ACERT e a sua maior abertura a géneros e públicos diversos, também gostava que a sua programação fosse um pouquinho menos "anos do PREC"...
    Quanto a Paus, já atuaram em Viseu, nos JE (vénia! vénia!). No Viriato, pois... podiam estragar o estuque como diz com graça o JB...
    Saudações.

    ResponderEliminar