domingo, 22 de fevereiro de 2015

Reformas avulsas MAS que conduzem ao marasmo total se não se imiscuírem DAS suas responsabilidades

Lúcia Araújo Silva, uma das estrelas do PS-Viseu, costuma(va) entreter-se a mandar spam aos militantes — veja-se o esplendor desta actividade meritória aqui no Rua Direita.

Desta vez, Lúcia Araújo Silva, em vez de spam, decidiu partilhar com o mundo um seu texto intitulado — “Os professores são alvos a abater” pelo governo PSD/CDS, que pode e deve ser lido na sua integralidade aqui no Farol da Nossa Terra.

O texto arranca assim:
"A educação e a democracia são dois pilares fundamentais de uma sociedade moderna e progressista."

Repita-se:
"A educação e a democracia são dois pilares fundamentais de uma sociedade moderna e progressista."

Tanto e tão bom estímulo ao espírito este que nos remete para uma indagação interior muito produtiva:

— estaremos perante dois pilares de uma sociedade só e só se ela for moderna e progressista? E se for só moderna? E se for só progressista? Haverá mais pilares? Quantos mais?
O "plano nacional de vacinas" será, também ele, um pilar de uma sociedade moderna? E de uma sociedade progressista?  

Tentemos o segundo período:
"Nas últimas décadas temos vindo a assistir a um conjunto de reformas avulsas para a educação, mas atualmente essas reformas estão a conduzir a educação a um marasmo total."

Repita-se:
"Nas últimas décadas temos vindo a assistir a um conjunto de reformas avulsas para a educação, mas atualmente essas reformas estão a conduzir a educação a um marasmo total."

Aqui o desafio intelectual é ainda maior e mais estimulante:
— que "últimas décadas"? A da co-educação de Veiga Simão? A da massificação e do eduquês de Roberto Carneiro? A do burocratismo centralista de Maria de Lurdes Rodrigues? A da docimologia austeritária de Nuno Crato?

As "reformas avulsas" terão sido boas e o "atualmente" é que é "
um marasmo total"?
As "reformas avulsas" terão sido más e o "atualmente" ser um "marasmo total" é consequência?
Se em vez de  "reformas avulsas para a educação" tivéssemos tido reformas por atacado e por grosso, essas reformas "atualmente" já não estariam "a conduzir a educação a um marasmo total"?

Avancemos para um e só mais um relance a este interessantíssimo texto.
Pergunta e pergunta-se Lúcia Araújo Silva mais para a frente:
"Estará Nuno Crato e a sua equipa a imiscuir-se das suas verdadeiras responsabilidades?"


Repete-se:
"Estará Nuno Crato e a sua equipa a imiscuir-se das suas verdadeiras responsabilidades?"


Depois do tempo necessário para ficarmos devidamente imiscuídos, tente-se: 
— Nuno Crato e a sua equipa fazem mal em "imiscuir-se DAS suas verdadeiras responsabilidades" ou fazem mal em "imiscuir-se NAS suas verdadeiras responsabilidades"?
Será isto? Não será isto? Imiscuir é bom neste caso? Não é?

Uma coisa é certa: no deserto de ideias em que se transformou o PS-Viseu da dupla Borges/Ginestal, este "pensamento"  é capaz de ir longe.


---------------------
Adenda às 21:05 de 23/2/2015
Este tão interessante artigo foi também publicado hoje aqui no ViseuMais.Com


11 comentários:

  1. "Murmuro o teu nome ao nível da relva".

    ResponderEliminar
  2. Li a prosa com interesse, atenção e muita vontade de aprender.
    Quem passou quatro anos para "escolher" um candidato à CM Viseu e .....
    Após essa "vitória" foi promovida para liderar as mulheres socialistas.
    Com Borges e Ginestal constitui uma tripla de dinâmica...blá..blá...blá....

    Nestas ocasiões recordo sempre os Iluministas. É um tique...

    "É perigoso ter razão onde
    gente com autoridade está a errar."

    Voltaire - filósofo iluminista - 1694-1778

    ResponderEliminar
  3. "Nas últimas décadas temos vindo a assistir a reformas avulsas na educação," Nessa altura aonde estava esta sra ?. Porque não se manifestou naquele tempo (PS), e só agora se manifesta ?. "O tacho fala mais alto"
    Pela boca morre o peixe.

    ResponderEliminar
  4. O Anónimo das 15.44 acertou na mouche !
    Estiveram TODOS caladinhos e a APLAUDIR a "Grande" Maria de Lurdes.
    Os srs professores Junqueiro, Ginestal, Lúcia e Cª nem permitiam uma crítica.
    Abriram a estrada a este sonso que está na educação.
    Cada vez que PS falar em Maria de Lurdes Rodrigues perde 10 mil votos, no mínimo.
    Vai dar banho ao cão!

    ResponderEliminar
  5. Senhor anónimo das 19:29

    Não publico o seu comentário.

    A minha ironia sobre esta crónica, escrita com toda a bonomia, incidiu sobre partes do texto de LAS que, para além de qualquer dúvida , não tiveram nenhum acidente electrónico.

    Metade do texto está ilegível devido a alguma formatação que correu mal mas, sobre essa parte é devida auto-restrição, já que acidentes electrónicos acontecem.

    Para além disso, o seu comentário entra em aspectos pessoais e este blogue não faz nem aceita ataques pessoais.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  6. Anónimo das 19:29

    Sr. Joaquim Alexandre Rodrigues:
    Sem querer incomodar, gostava de clarificar que o comentário apenas se referia a factos constatados no texto. As gralhas acontecem, mas se é um problema eletrónico o texto deveria ser revisto antes de ser publicado. Não sei. Quanto à parte final, é apenas uma conclusão decorrente de todo o contexto reproduzido e não um ataque pessoal (assim o entendo). Nunca fiz ataques pessoais. Se este pareceu, lamento. Reconheço o direito à não publicação, visto que o comentário foi considerado incorreto. Pelo facto peço as minhas desculpas. Não voltará a acontecer!
    Este é apenas um esclarecimento pessoal.
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Senhor anónimo

      Perfeita a sua posição.

      Pus uma adenda ao post às 21:05 de hoje com o mesmo interessante texto agora publicado no ViseuMais mas, infelizmente, as anomalias continuam.

      Cumprimentos

      Eliminar
  7. Caro Joaquim Alexandre,
    hoje, fui alertada, por um camarada, que o Joaquim Alexandre fizera mais um comentário relativo à minha pessoa.
    Desvalorizei. Contudo, e ao fazer umas leituras pelas notícias on-line, reparei que o meu texto, publicado no ViseuMais, tinha umas “gralhas”. Ninguém, de bom senso, envia um texto com “gralhas” para a C. Social.
    O que certamente aconteceu foi que, e quem conhece os mínimos de informática sabe que, muitas vezes, ao copiar-se um texto, as aspas; os acentos circunflexos, entre outros, assumem carateres que tornam o texto ilegível.
    Lamento a sua atitude e a sua forma de estar. Quanto à questão política do texto, apenas lhe digo, “ je suis charlie”.
    Saudações Socialistas.
    Lúcia Araújo Silva

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Lúcia Araújo Silva

      Com que então enviou para publicação um "recauchutamento" informático do seu tão interessante e estimulante texto?

      Fico muito contente.

      Não querendo "imiscuir"-me NAS minhas "verdadeiras responsabilidades" editoriais para com este blogue felino, não constituindo portanto isto uma promessa ou um compromisso ou uma auto-obrigação, dir-lhe-ei que, eventualmente, poderei ler este seu "texto-parte 2", agora com os acentos circunflexos nos devidos lugares.

      Cumprimentos do
      Joaquim Alexandre Rodrigues

      Eliminar
  8. Cara Lúcia Araújo Silva

    Chamo-lhe a atenção para o meu comentário acima publicado ontem, 23 de fevereiro de 2015 às 20:51, em que recusei publicar um contributo de um leitor deste blogue em que, de uma forma mitigada embora, se poderia considerar um ataque pessoal a si.

    Ataques pessoais não têm lugar neste blogue.

    Ora, a Lúcia Araújo Silva acaba de mandar para aqui às 11H46 um conjunto de insultos a mim próprio.

    A Lúcia Araújo Silva faz a manobra clássica do desvio de foco da mensagem (o seu inteligentíssmo, interessantíssimo e inolvidável texto de opinião que publicou no Farol da Nossa Terra e no ViseuMais) para o mensageiro (no caso o autor deste blogue, eu próprio, professor primário aposentado, prefiro a "professor do 1º ciclo" como me chamou, sou mesmo professor primário aposentado).

    No seu comentário, que não publico porque não publico ataques pessoais, a Lúcia Araújo Silva confessa-se "professora do quadro", devo-lhe dizer que não sabia, e não me querendo "imiscuir" NAS suas "verdadeiras responsabilidades" desejo-lhe o máximo de venturas profissionais, pessoais e políticas.

    Desejo-lhe um bom lugar de nomeação ou de eleição, longe do contacto com os alunos.

    Cumprimentos do sempre ao seu dispor menos para ataques pessoais
    Joaquim Alexandre Rodrigues

    ResponderEliminar
  9. “Garanti-nos, meu Deus, um pequeno absurdo cada dia.
    Um pequeno absurdo às vezes chega para salvar”
    Alexandre O’Neill

    O número de comentários deste post revela bem qua continua a existir uma ferida aberta na área da educação: Maria de Lurdes Rodrigues.

    O número de comentários, e muitas das mensagens subliminares inseridas, revelam que o Partido Socialista continua a ter uma falha: transmitir confiança.

    É compreensível que a srª professora Lúcia esteja preocupada em defender o legado de Maria e Lurdes Rodrigues e das suas medidas mais emblemáticas de propaganda, desculpe, de política educativa. É compreensível que uma dirigente política do Partido Socialista defenda a memória da prática governativa do governo Sócrates, mas seria melhor restringir-se ao que domina efectivamente em matéria de Educação. Não me ocorre agora nada especificamente, mas certamente que terá feito reformas muito importantes…. Ou então sou eu que sou mesmo bilioso e só lhe encontro incongruências no texto que publicou.

    E aqui falamos de algo que marcou de forma i•ne•xo•rá•vel o consulado de MLR e dos seus acólitos: a indignidade com que tratou os professores!

    MLR e os seus acólitos começaram a transformar a profissão docente numa doença terminal e trataram de impedir milhares de professores de chegar à aposentação em pleno uso das suas faculdades mentais. Todos conhecemos estórias de excelentes profissionais, empenhados, dedicados e sobretudo experientes, que ainda muito tinham para dar ao sistema, aos seus alunos, seguindo o lema “I’m a teacher, I touch the future!”, que deixaram de ter razões, motivação para cumprir a seu gosto o conteúdo funcional da sua profissão. Saíram de cena, foram empurrados para a aposentação!

    E enquanto o ódio figadal aos professores se passou onde esteve a srª professora Lúcia? O sr professor Ginestal? O sr professor Acácio?
    Sobre como trabalham as lavadeiras do regime socrático não restam dúvidas…

    Sobre o Partido Socialista, apenas lhe digo que com textos e posições políticas como a sua, ou o “arrozado de explicações” do deputado Acácio Pinto sobre a municipalização da educação e as hesitações de Costa, o seu partido é o exemplo da ideia: "I used to be darker, then I got lighter, then I got dark again"- Bill Callahan.

    Ao Partido Socialista continua a faltar a “garra” de recusar, resistir, mobilizar. Não precisa de ser Syriza, precisa apenas de ser Socialista!
    Perante os bloqueios às mudanças, a falta de ousadia, a inércia, a indecisão, a falta de transparência, as meias palavras, os jogos do poder, a opacidade dos negócios, a paz podre, o Partido Socialista deveria constituir motivo de estímulo, coragem e determinação na alternativa. A senhora tem responsabilidades políticas locais e tem a missão fundamental de defender e promover esse património histórico e identitário da esquerda contemporânea que é o PS.

    Srª professora despeço-me com estima e consideração e fique a saber que mais que “Charlie” eu sou LOUKANIKOS, pois ladro e mordo….quando necessário!

    ResponderEliminar