sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Inverno

Fotografia de Andreas Feininger

Assobiam-nos, vindo de um sul
frígido, ventos
que nos queimam a boca e as rosas;
o beija-flor enrijece,
a água congela e tolhe o peixe.
Mas o homem permanece — e é necessário
que seja lembrado numa estátua —
desvia rios, abre canais, constrói cidades,
voa e nada.

E procria sem necessitar de primavera.
Fernando Ferreira de Loanda



Sem comentários:

Enviar um comentário