sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Contos de crianças *

* Texto publicado hoje no Jornal do Centro



1. Vi, no Facebook de um amigo, um cartaz com quatro putos africanos de costas a olharam para a vastidão da savana. Diz um deles para o do lado:

«Sabias que os miúdos norte-americanos são obrigados a estar sentados numa sala de aula todo o dia? E se se mexem, ficam excitados ou fazem demasiado barulho, dão-lhes drogas para os manterem quietos? E que o maior exercício que fazem é jogos de vídeo e que a comida deles é cheia de químicos perigosos?»

«Isso é horrível! Devíamos fazer peditórios para eles!», responde o outro.

Este palavroso cartaz tem um olhar não muito comum sobre o nosso modo de vida, mas, como é produzido por uma organização de Vancouver, ele é ainda o ocidente a olhar para o ocidente, é uma “selfie”.

Umberto Eco tem um texto muito engraçado sobre a “transcultura”, uma “antropologia alternativa” que crie condições para que “os outros” estudem “os usos e os costumes do ocidente.” Dito curto e grosso: que ponha o ocidental no lugar do “indígena”.

Refere Eco, quando puseram “estudiosos africanos que nunca tinham estado no Ocidente a descrever a província francesa”, houve dois costumes que os deixaram muito surpreendidos: passearmos os cães pelas ruas e passearmos à beira-mar.

Foi com este trabalho, diz Eco, que a “observação recíproca começou verdadeiramente a funcionar.”

2. Como é sabido, a seguir à Grécia quem está debaixo dos holofotes dos mercados é Portugal.

Ora, o Syriza apostou tudo num dominó negativo que nos arrastasse com o sul da “Europa”. Esse dominó foi teorizado assim por Yanis Varoufakis, no seu blogue, em 11 de Dezembro: “Se isto também significar que, durante essas negociações, os juros da dívida pública de Portugal, Espanha e Itália sobem, tanto melhor.”

A este “se-eu-cair-cais-comigo”, ripostou Pedro Passos Coelho com um pedido aos gregos para se deixarem de “contos de crianças”.

Os juros gregos subiram, os portugueses não. Era, de facto, um “conto de crianças”.

Sem comentários:

Enviar um comentário