quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

O mar é longe, mas somos nós o vento

Fotografia de Christer Strömholm



O mar é longe, mas somos nós o vento;
e a lembrança que tira, até ser ele,
é doutro e mesmo, é ar da tua boca
onde o silêncio pasce e a noite aceita.
Donde estás, que névoa me perturba
mais que não ver os olhos da manhã
com que tu mesma a vês e te convém?
Cabelos, dedos, sal e a longa pele,
onde se escondem a tua vida os dá;
e é com mãos solenes, fugitivas,
que te recolho viva e me concedo
a hora em que as ondas se confundem
e nada é necessário ao pé do mar.
Pedro Tamen


2 comentários:

  1. O mar! Esse imenso e desconhecido mar que nos transcende, nos seduz e nos conduz!
    Ermelinda Bordonhos

    ResponderEliminar