segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Cinco poemas para a noite invariável (V)

Fotografia de Wynn Richards


V

Desgrenho cada minuto calmo -
basta de tranças imóveis dobadas sobre mim
caules rectilíneos de flores de pedra

Quebro os tabus de vidro
na beira dos passeios
febril como as pedras prenhes de evasão

e agonio-me de perigos escondidos
a terra imprevista sob a terra
o mar imprevisto sobre o mar

Beijo as espáduas do espaço
desfeito
Luiza Neto Jorge

Sem comentários:

Enviar um comentário