sexta-feira, 24 de outubro de 2014

#500 *

* Texto publicado hoje no Jornal do Centro

Este é o quingentésimo "Olho de Gato". Redondo número.


ONG 

Como explica Moisés Naím em "O Fim do Poder", à medida que o activismo político foi perdendo apelo, enredado que está na corrupção, no cinzentismo e na decadência, as Organizações Não Governamentais têm crescido em influência e importância planetária.

Os seus objectivos são mais claros e a sua organização é muito menos hierárquica e mais próxima dos seus membros. Estes sabem se pertencem a uma Ong filantrópica, ou ambiental, ou política, ou sanitária, ou..., e sabem fazer lobby e usar os media e as redes para imporem a sua agenda.

Em Portugal, para dar um exemplo, o Banco Alimentar Contra a Fome mantém uma extraordinária capacidade de mobilização. Apesar das asneiras que pendularmente Isabel Jonet expele pela boca fora, as pessoas percebem que o Banco Alimentar faz o que nunca nenhuma burocracia social do estado fará. E procedem em conformidade.


GONGO

As Gongo são "organizações não governamentais organizadas pelos governos", são um "faz-de-conta" usado pelos governos para tirarem partido da popularidade das Ong.

Um exemplo é a “Chiyoda - Associação Geral dos Residentes Coreanos”, sediada no centro de Tóquio, com 150 mil membros, dona de dezenas de escolas, uma universidade, várias empresas (até bancos), e que também... emite passaportes da Coreia do Norte, país que não tem relações diplomáticas com o Japão.


BONGO

Já o "Centro Português Para a Cooperação — CPPC", fundado por Pedro Passos Coelho em 1996 e pago pela Tecnoforma, não foi uma criação da sociedade civil como é uma Ong, nem uma criação de um governo como é uma Gongo.

O CPPC, que não tinha problemas de dinheiro, era, isso é certo, um "faz-de-conta" interessado no "sabor da selva" africana. 

À falta de melhor, chamemos-lhe uma Bongo.

1 comentário:

  1. Em primeiro lugar felicitar o autor do blog e do espaço no jornal pelo número redondo.
    Para me juntar ao espírito do artigo proponho um BONGO fresco.

    Aqui vai:

    Não dei conta de grandes (ou pequenos) comentários a dois factos recentes na área socialista.
    O primeiro refere-se a Francisco Assis, deputado no Parlamento europeu. Contava a notícia do Expresso on line que: ” Assis foi o único deputado socialista português a levantar-se no final do discurso de Durão Barroso. Por ser "o último discurso de um português" no Parlamento Europeu. E porque gostou.”

    A segunda refere-se ao primeiro-ministro francês, Valls: “Polémica estala em França: primeiro-ministro quer que Partido deixe de se chamar Socialista”.

    Ambas me causaram perplexidade, no mínimo.
    De Assis, retenho a sua coragem física e política quando afrontou “uns camaradas” lá para o norte, num episódio muito pouco edificante. Mas como político tem revelado um pensamento muito próximo da direita liberal e reacionária que nos governa.

    Aplaudir Durão provoca-me náusea. Motivos? Apenas três: defensor e ideólogo da austeridade a qualquer preço que contribuiu para a crise recessiva em que deixa a Europa comunitária; mordomo de serviço para a criminosa iniciativa que foi a invasão do Iraque e por fim, incapaz de exercer o papel de mediador entre os EUA e a Rússia.

    Quanto a Valls é um provocador e um reacionário. Ser primeiro-ministro de um governo, dito, socialista só pode ser um (grande) erro. Admirador de Tony Blair, da Terceira Via e dessa tralha ideológica, assume-se como um ‘pragmático’, ou seja, como alguém que quer arrumar a casa com os espíritos mais ‘moderados” e quando pressionado pela ala esquerda do partido e pelo "movimento dos 40 deputados rebeldes" (chamados "les frondeurs"), Valls contra-ataca: quer mudar o nome do PSF e propõe alianças com a direita centrista moderada para tentar reforçar a sua atual muito frágil maioria no Parlamento. Considera que deve ser equacionada uma federação ou um movimento, "uma casa comum" aberta aos "progressistas', nos quais inclui os centristas de François Bayrou, antigo ministro da Educação. O herói do Tó Zé Zero, o Holland, revela-se incapaz de resolver os problemas e de ideologia também anda fraco…

    Costa deve estar atento pois esta “esquerda”, em França e Portugal, é gente que não serve e, uma esquerda que não sabe estar à altura do seu tempo. E não me agrada nada o silêncio e a orientação que o PS está a tomar sobre a necessária discussão da renegociação da dívida pública. Vieira da silva responde: não há “respostas simples”. Ou seja, não tem soluções?

    Vão muito serenas estas águas….

    ResponderEliminar