segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Vestido de cavalo e fina seda

Fotografia de Joseph Szabo


Vestido de cavalo e fina seda
e coberto de escamas luminosas
é como se tivesse uma outra idade
(a verdadeira) e o jovem corpo
capaz de atravessar muros e medo.
Inclinarias sobre a minha boca
um nome arrevezado com sabor
a terras estrangeiras visitadas
secretamente, em noite toda escura,
envolto, nu, em glória impermeável.
Vais-me dobrar em dois como se dobra
um dia que passou sem nada dentro,
o velho ardor de nuvens encardidas;
sem ver a minha voz como cantava
ao telefone a sombra da memória
do desejo que dói como um veneno.
António Franco Alexandre


Sem comentários:

Enviar um comentário