segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Grotto

Fotografia de Augusto Brázio



Não quero nada claro ou helénico.
Prefiro turbinas de aviões comerciais, a sua fuligem
doméstica
às velas de alabastro do veleiro de Ulisses
lá em alto mar.
Prefiro o eclipse a Calipso.
Não quero nada de verdadeiramente branco.
Dispenso a asa delta de garças,
o seu voo aerodinâmico,
troco-o pela arribação de ratos no esgoto,
a sua pressa chinesa,
o seu stress pós-traumático:
orgulham-me criaturas tão limpas.
Assim também recuso o papel branco:
trato de o desfigurar
com sangue negro, como se desfigura
um branco no Harlem.
Nem quero começar a imaginar como se sentiriam
escravos nos campos de algodão.
Daniel Jonas


Sem comentários:

Enviar um comentário