quarta-feira, 16 de julho de 2014

O assobio *

* Texto publicado no Jornal do Centro há exactamente quatro anos, em 16 de Julho de 2010


1. Os filmes de Emir Kusturica são únicos e inconfundíveis: têm alegria, fantasia, delírio. E muita bicharada. Os seus filmes são sempre um grande zoo.

Revi há pouco “A Vida É Um Milagre”, um filme que mostra Kusturica em baixa de forma, a repetir-se nas fórmulas e nos processos, mas que, mesmo assim, é muito divertido e recomendável.

Uma das personagens de “A Vida É Um Milagre” é uma burra desgostosa que se pranta em pranto no meio da linha do comboio e não sai, nem puxada, nem empurrada, nem ameaçada, nem batida. 

A burra só se mexe e deixa passar o comboio quando se lhe assobia com jeito às orelhas.

A ala esquerda do PS, nos últimos cinco anos, não foi a consciência crítica que o partido e José Sócrates precisavam.

Em 2009, antes das eleições, a esquerda do PS preocupou-se com lugares e deixou as ideias a cargo de um homem de negócios chamado António Vitorino.

Agora, nas últimas jornadas parlamentares do PS, Ferro, Soares e Pedroso puseram-se no meio da linha a chorarem a falta de debate e de vitalidade no PS, tal qual a burra de “A Vida É Um Milagre”.

Sócrates, um cinéfilo atento, resolveu aquilo com facilidade. Só precisou de lhes assobiar com jeito às orelhas o seu novo discurso “anti-neoliberal”.



2. Caras vereadoras e caros vereadores da oposição de todas as câmaras do país, deixo-vos aqui um conselho de amigo: mesmo perante uma proposta de deliberação com parecer favorável do técnico responsável, mesmo que a decisão em causa seja adequada para o interesse público, mesmo assim votem sempre contra. Sempre.

Podem deixar a seguinte declaração de voto nas deliberações: «Apesar de concordar, voto contra porque não estou disponível para, daqui a uns anos, ser multado.»

Desta forma simples, evitam futuros processos kafkianos em tribunal. Quem vos avisa…

Sem comentários:

Enviar um comentário