quinta-feira, 5 de junho de 2014

As putas da Avenida

Fotografia de Henri Cartier-Bresson


Eu vi gelar as putas da Avenida
ao griso de Janeiro e tive pena
do que elas chamam em jargão a vida
com um requebro triste de açucena

vi-as às duas e às três falando
como se fala antes de entrar em cena
o gesto já compondo à voz de mando
do director fatal que lhes ordena

essa pose de flor recém-cortada
que para as mais batidas não é nada
senão fingirem lírios da Lorena

mas a todas o griso ia aturdindo
e eu que do trabalho tinha vindo
calçando as luvas senti tanta pena
Fernando Assis Pacheco


1 comentário:

  1. “Não lamentes, oh Nise, o teu estado;
    Puta tem sido muita gente boa;
    Putíssimas fidalgas tem Lisboa;
    Milhões de vezes putas têm reinado
    (…)”
    João Vicente Pimentel Maldonado (citado por Natália Correia)

    E que dizer desses PUTOS em guerra com o Conselho da Revolução (ler Tribunal Constitucional)???
    Não há lei fundamental neste país que resista?
    Não PR neste país? Não jurou….???

    Sobre estes PUTOS ninguém fala??

    Não há paciência. IRRA !!!

    ResponderEliminar