sexta-feira, 13 de junho de 2014

Aclarações *

* Texto publicado hoje no Jornal do Centro

Estas aclarações não têm nada a ver com as que o governo acaba de pedir ao tribunal constitucional mas sim com a crónica publicada aqui no 25 de Abril.

Há uns factos pendurados desde então.

Aí vão eles — os factos: uma notícia publicada neste jornal em 2002 sobre uma distribuição de móveis velhos do tribunal de S. Pedro do Sul deu processo. A notícia foi verdadeira, cuidadosa e profissional. Aquele tribunal em 2009 condenou os jornalistas Fernando Giestas e Isabel Bordalo e impôs-lhes duas indemnizações, uma delas à Misericórdia local. Depois, a sentença foi confirmada na Relação. Agora, em 2014, o costume: mais uma vez o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (TEDH) condenou o estado português por desrespeito da liberdade de expressão. Obrigou-o também a ressarcir os dois jornalistas de todas as despesas que tiveram com o processo (eles não pediram mais do que isso).

Aí vão elas — as aclarações: escrevi, a 25 de Abril, que o TEDH acabara de “inocentar Fernando Giestas e Isabel Bordalo”. O facto é que, em Portugal, os dois jornalistas continuam com o cadastro criminal sujo. E têm-no por uma simples razão — foram bons profissionais. Já quanto aos juízes portugueses deste caso, do cadastro não se sabe, sabe-se da sua competência.

Segunda aclaração: a Misericórdia de S. Pedro Sul não quis receber nenhuma indemnização e isso deve ser realçado.

Terceira aclaração: na mesma crónica escrevi que não tinha dado conta de nenhum jornalista ter contado o destino dos móveis velhos das escolas secundárias Emídio Navarro e Alves Martins de Viseu, durante a fase das obras cleptokeynesianas da Parque Escolar. 
Agosto de 2010
Fotografia Olho de Gato
A verdade é que, no DN, o jornalista Amadeu Araújo, em 5 de Outubro de 2010, descreveu a forma como "foi arrancado e enviado para o lixo" material impecável num valor "superior a cem mil euros": “portas, tectos, mobiliário, iluminação e informática” da secundária Alves Martins.

Meio ano depois estava cá a Troika.

Sem comentários:

Enviar um comentário