quarta-feira, 14 de maio de 2014

Falar pelos pobres *

* Texto publicado no Jornal do Centro há exactamente quatro anos, em 14 de Maio de 2010


1. Começo a escrever este Olho de Gato na terça-feira de manhã quando o avião de Bento XVI ainda vem no ar, numa rota ao abrigo das cinzas do vulcão Eyjafjallajokull.

A visita do papa tem impacto no país e cria expectativa. Há uma pergunta no ar: “o que é que Bento XVI vai dizer?”

Pedro da Silva Pereira, em artigo no Expresso da semana passada, depois de descrever as reformas decorrentes da nova concordata, não resistiu e, profilático, escreveu: “A questão social, à luz da maior crise económica dos últimos 80 anos, não deixará de ocupar um lugar importante nas mensagens do papa.”

O ministro, em boa forma apesar destes tempos difíceis e vulcânicos, tentou diluir a crise portuguesa na crise global. Mas a expectativa existe – “o que vai dizer o papa?”

Há uns tempos, quando já se sabia quem iam ser as vítimas principais do PEC, perguntei a um destacado membro da nossa diocese:

«Quando é que a Igreja começa a falar, como é sua obrigação, pelos pobres?»


«Espere pela visita do papa» – foi a resposta que obtive.

2. Como diz Slavoj Žižek em “A Marioneta e o Anão”: 
“hoje há cristãos, muçulmanos e budistas em todos os países do mundo” e estes tempos globalizados que vivemos fazem com que a religião fique secundarizada perante o “funcionamento profano da totalidade social”.



Fotografia da Agência Lusa daqui
Assim, diz Žižek:
“há dois papéis possíveis para ela: terapêutico ou crítico – [a religião] ou ajuda os indivíduos a funcionarem cada vez melhor na ordem existente ou procura afirmar-se como uma instância crítica e dizer o que está errado nessa ordem”.


Faz-nos falta uma voz crítica como a de D. Manuel Martins, o bispo de Setúbal nos anos de 1980.

Desgraçados tempos aqueles.

Desgraçados tempos estes - não é preciso lembrar-lho, D. Ilídio Leandro, bispo de Viseu.

3 comentários:

  1. Este bispo está para a Igreja, como os políticos na oposição estão para o governo quando lá chegam.
    Ou para usar a doutrina, é como S. Tomás...
    O P.e Ilídio desapareceu!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho apreço por D. Ilídio Leandro e quero deixar aqui esse testemunho.

      Eliminar
    2. Também o tinha. Mas com o seu contributo pessoal em matérias bem terrenas, mudei a minha opinião. E como contra factos não há argumentos...

      Eliminar