sexta-feira, 11 de abril de 2014

Vistos dourados *

* Publicado hoje no Jornal do Centro


1. Portugal, depois de terminado o comércio de escravos no Brasil em 1891, virou-se para o proveitoso comércio com países em guerra. Comércio legal ou não legal.

Foi assim na guerra anglo-boer no virar do século XIX para o século XX, foi assim com os abastecimentos aos nacionalistas durante a guerra civil espanhola nos anos de 1930, foi assim na década a seguir com a venda de volfrâmio à Alemanha nazi. Aqui nas beiras fez-se bom dinheiro com esse volfrâmio.

Mais tarde, já durante a guerra colonial, Portugal soube tirar partido da situação marginal dos estados racistas da Rodésia branca e da África do Sul.

A nossa diplomacia é boa a tratar “da cobrança de facilidades” em “situações de marginalidade internacional”. 


Toda esta informação vem descrita no último livro de José Medeiros Ferreira: “Não há mapa cor-de-rosa, a história (mal)dita da integração europeia”, cuja leitura vale a pena, muito mais que perder tempo com a retórica indigente destas eleições europeias.


Imagem daqui
Medeiros Ferreira, com o seu sentido de humor inigualável, chamou a esta nossa especialidade: “drenagem atípica de rendas exógenas”. Nisto somos bons e há muito tempo. Esta experiência acumulada tem agora um novo campo de aplicação: a venda de vistos dourados a milionários chineses.

E as coisas podem não ficar por aqui: a tríade que manda — formada pela advocacia de negócios, pela banca e pela alta burocracia partidária — ainda se vira para o mercado dos milionários russos e faz um rombo na mais proveitosa “indústria” do Chipre.

2. Os 28 mil euros da reintegração na reforma do ex-vereador Cunha Lemos foram levados à sessão da câmara de Viseu mas não para serem votados. 
Foi só “para conhecimento”. Foi só um momento filosófico.

O assunto é trazido aqui também “para conhecimento” dos leitores. No mês em que pagam a primeira prestação do IMI.

Sem comentários:

Enviar um comentário