domingo, 12 de janeiro de 2014

Em caso de fogo

Fotografia de António Pedrosa



Em caso de fogo, a primeira coisa que se deve fazer é perder
a cabeça. O pior inimigo do fogo é a cabeça. Começa-se por querer
sair dali a qualquer preço, não olhar a nada, esquecer tudo,
desaparecer, mesmo que seja para o interior de si próprio, onde
por sinal há muito mais fogos do que no litoral.

Cento e trinta e cinco por cento das vítimas do fogo são homens. O
restante são mulheres e crianças e nenhuma delas abandonou
a cabeça. Embora nenhuma vítima tenha sequer tido tempo para
pensar que poderia estar noutro local, como no interior ou no
litoral de si próprio, todas foram encontradas agarradas às coisas
mais incontroláveis, como uma beata, uma bóia ou uma recordação.
António Pocinho

Sem comentários:

Enviar um comentário