quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Bordados*

* Texto publicado hoje no Jornal do Centro



1. O “video-mapping” é uma espécie de fogo-de-artifício audiovisual sem pólvora. 


O que foi encomendado pela câmara de Viseu para a passagem de ano foi matéria de controvérsia, com a “oposição” a acusar a “situação” de despesismo.

Como prometi aos leitores, fui com doze passas e espumante ver e avaliar o “evento”: 
(i) o espectáculo foi bom e há vários vídeos no YouTube onde se pode conferir essa qualidade
(ii) o Adro da Sé tinha pouca gente e isso foi uma pena; 
(iii) as clareiras entre o público deixaram pendurada esta primeira tentativa de António Almeida Henriques de fazer de Viseu uma “cidade de eventos”.

Recordo que Portugal tem tido uma “estratégia” de desenvolvimento movida a “eventos”: foi a XVII, a Expo, as “capitais de…”, o Euro 2004. Até Viseu também já pecadilhou disso com um mundial de andebol.

De “eventos” no país tivemos muito, de desenvolvimento é que pouco.

Fica aqui matéria para reflexão do presidente da câmara, já que nenhum “conselho estratégico” ou outra instância metapolítica, das que ele anda agora a multiplicar, pode substituir a interpretação do interesse público de um político eleito com a responsabilidade para decidir.


2. Não é anedota: neste país falido, a assembleia municipal de Viseu aprovou mesmo por unanimidade uma moção a pedir uma ligação ao sul em via com “perfil de auto-estrada” e sem portagens.

Atenção!: não se trata de uma auto-estrada, trata-se de um “perfil de auto-estrada”.

Não admira que as sessões da assembleia municipal demorem horas e mais horas. É que nada derrete mais tempo do que fazer bordados com as palavras.

1 comentário:

  1. Os vizinhos de Cidade Rodrigo e Salamanca não apareceram, está bom de ver.

    ResponderEliminar