sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Como um archote

Fotografia de Andreas Feininger


Vem tudo à superfície.
Como se
dentro da casa
um maremoto levantasse
as pedras todas, uma a uma; como se
no centro, iluminadas,
as esferas rodassem
no seu eixo — tudo
de repente se inclina, tudo arde
nesta fogueira acesa
como um archote de sangue, uma lua
de enxofre.
Albano Martins

Sem comentários:

Enviar um comentário