terça-feira, 5 de novembro de 2013

Desexistir

Fotografia de Elliot Erwitt



Quando eu desisti
de me matar
já era tarde.

Desexistir
já era um hábito.

Já disparara
a auto-bala:
cobra cega se comendo
como quem cava
a própria vala.

Já me queimara.

Pontes, estradas,
memórias, cartas,
toda saída dinamitada.

Quando eu desisti
não tinha volta.

Passara do ponto,
já não era mais
a hora exata.
Frederico Barbosa

Sem comentários:

Enviar um comentário