quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Rendas (#2)*

* Texto publicado hoje no Jornal do Centro

1. A aristocracia dos conselhos de administração das empresas públicas acumulou uma dívida superior a 30% do PIB (contabilidade anterior ao buraco dos swaps).

Há que acrescentar que há um trânsito descarado desta casta entre o público e o privado/rentista. Vejam-se os casos anedóticos dos presidentes dos bancos privados que são pensionistas da CGD.

Nos casos de rentismo, então, tem sido um fartar-vilanagem. Ainda ninguém falava no assunto já aqui se "siglava" com cinco pês esse roubo ao futuro: PPPPP - Parcerias-Prejuízos-Públicos-Proveitos-Privados.

Na primavera de 2011, quando já estava a acabar a festa negocista socrática, passou-se o caso mais flagrante deste trânsito: o então presidente das Estradas de Portugal transferiu-se para a Opway/Ascendi/BES. Passou de número um público para número um rentista. Foi tudo legal e o homem fartou-se de bradar que "quem-não-deve-não teme".

Como uma boa parte dos deputados influentes exerce a sua função em part-time e está também na folha de pagamentos de privados, não se espere que o nosso parlamento mexa no regime de incompatibilidades desta casta.

2. Nos tempos que correm, o capitalismo financeiro privilegia a renda em detrimento do lucro.

Está a acontecer um movimento contrário ao início do capitalismo. Na altura, formas de riqueza imóvel (as terras e as suas rendas) foram ultrapassadas por formas móveis de propriedade (o lucro da produção industrial). Claro que agora as rendas são diferentes das do pré-capitalismo. Assunto a tratar num futuro Olho de Gato.

3. Duas primeiras constatações sobre o cozinhado das listas autárquicas de Viseu: 

(i) nos lugares elegíveis para a câmara e assembleia municipal, o aparelhismo partidário mais seguidista e acrítico, polvilhado aqui e ali com um ou outro académico para enfeitar; 

(ii) nas listas de freguesia, generosidade e amor à comunidade.

2 comentários:

  1. Caro Amigo,

    Esclareça-me o ponto 3, o cozinhado ficou bom ou mau… para os viseenses?
    E a qualidade do mesmo? E o sabor? E o mérito dos ingredientes?
    E já agora, será com este cozinhado, o famoso eucalipto consegue o seu objectivo? Conquista a Europa?

    Um abraço,

    JC Teixeira

    ResponderEliminar
  2. Caro JC Teixeira
    Faz seis interrogações acerca do cozinhado das listas.
    É sempre um cozinhado complicado.
    No FB, em comentário, exprimi a minha surpresa pela relativa falta de liberdade dos ‘chefs‘, manifesto-a também aqui em ambiente mais aberto.
    Adivinho uma saborosa conversa para quando nos encontrarmos com tempo.
    Forte abraço

    ResponderEliminar