quarta-feira, 10 de abril de 2013

"E agora me desanca em verso..."

Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos, mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que tenho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.
Álvaro de Campos

Osmar Prado numa cena de "O Clone" (2002)

Obrigado pelo vídeo, Miguel Fernandes

2 comentários:

  1. Poucas vezes uma telenovela fez tanto pela língua.

    ResponderEliminar
  2. Esta cena nos telespectadores deve ter-se, primeiro, estranhado e, depois, entranhado.
    A bebida de Osmar Prado era essa, provavelmente.
    Abraço, caro Miguel!

    ResponderEliminar