quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Ladroagens *

* Texto publicado hoje no Jornal do Centro

     O BPN derreteu-nos entre três a quatro anos dos nossos subsídios de férias e de Natal e não há ninguém na prisão: 
Oliveira e Costa está de pulseira electrónica e Dias Loureiro, depois de umas horas de “não me lembro, não me recordo” numa comissão parlamentar, nunca mais foi incomodado pelas autoridades desta podre terceira república.
     Estas águas mal-cheirosas foram agora remexidas com a tomada de posse de Franquelim Alves, ex-quadro do BPN/SLN, no fatal cargo de “secretário de estado do empreendedorismo, competitividade e inovação” (tudo coisas que precisam tanto da tutela do estado como um jogador de futebol precisa de uma pubalgia).
     Passos Coelho e Cavaco Silva não ligaram aos avisos do PCP e fizeram um erro crasso. Foi como pôr tinta fresca num carimbo a dizer “BPN=PSD”. Claro que o PSD não é o BPN, mas, se antes só se ligava aquele polvo a algum cavaquismo, agora o dossier BPN fica colado a todo o PSD.
     No parlamento, em Março de 2009, Franquelim Alves justificou assim ao deputado Nuno Melo o facto de não ter avisado logo o Banco de Portugal quando tomou conhecimento daquela ladroagem: “pode discutir-se muito isso, se devia ter comunicado logo se não deveria ter comunicado, mas penso que do ponto de vista da prudência, era indispensável que (...)”.
     É positivo Franquelim não ter mostrado no parlamento a mesma amnésia do sr. Dias Loureiro, mas é claro que ele devia ter imediatamente avisado a supervisão bancária. Como ensina Peter Singer: “somos responsáveis não só por aquilo que fazemos, mas também por aquilo que poderíamos ter impedido.” Somos responsáveis pelas nossas acções e pelas nossas omissões. É duro, mas é assim.
     Agora, como o CDS se pôs de fora, Passos Coelho e o Álvaro vão ficar com o ónus desta cavalada, a menos que o empreendedor, competitivo e inovador Franquelim os alivie do fardo da sua companhia.

Sem comentários:

Enviar um comentário