segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Guilherme Gomes *

Poema em linha recta

Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.
E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.
Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu um enxovalho,
Nunca foi senão príncipe - todos eles príncipes - na vida..
Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca!


E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.
                                                                                                            Álvaro de Campos 


* Como se pode e deve conferir aqui, este blogue já era 100% fã de Guilherme Gomes.
Agora ainda é mais.

Um visionário

Imagem daqui
     Este homem, Rui Pedro Soares, é um visionário, é um exemplo para as juventudes partidárias do bloco central.
     Hoje é notícia que Rui Pedro Soares deu um aumento de 98% a um seu assessor no Taguspark, assessor que ficou a abichar 5893 euritos por mês.
     Um modelo assim,  como é humano e compreensível, faz com que  muito jotinha tenha sonhos húmidos dedicados ao tema: "quando for grande, quero ser como o Rui Pedro Soares."
     Depois das notícias de hoje, passa a haver um segundo tipo de  sonho: "quando for grande, quero ser como o assessor do Rui Pedro Soares."

domingo, 30 de janeiro de 2011

Em Dezembro se não for antes?

Imagem daqui
     Em 2001 o Congresso do PS correu que foi uma maravilha. Guterres foi eleito com uma percentagem albanesa.
     Tudo tranquilo no Congresso com o eterno Almeida Santos ao leme.
      Manuel Maria Carrilho foi ao Congresso dizer de sua justiça. Foi vaiado.
     Em Dezembro, Guterres demitiu-se.

Imagem daqui
     Em 2011 o Congresso do PS vai correr que é uma maravilha. Sócrates vai ser eleito com uma percentagem albanesa.
     Tudo tranquilo no Congresso com o eterno Almeida Santos ao leme. (As besteiras sobre Carrilho disse-as ele em Janeiro).
      Manuel Maria Carrilho vai ao Congresso dizer de sua justiça e vai ser vaiado por José Lello.
      Em Dezembro, é Natal.

Defensa da alegría

Imagem daqui


Defender la alegría como una trinchera
defenderla del escándalo y la rutina
de la miseria y los miserables
de las ausencias transitorias
y las definitivas


defender la alegría como un principio
defenderla del pasmo y las pesadillas
de los neutrales y de los neutrones
de las dulces infamias
y los graves diagnósticos


defender la alegría como una bandera
defenderla del rayo y la melancolía
de los ingenuos y de los canallas
de la retórica y los paros cardiacos
de las endemias y las academias


defender la alegría como un destino
defenderla del fuego y de los bomberos
de los suicidas y los homicidas
de las vacaciones y del agobio
de la obligación de estar alegres


defender la alegría como una certeza
defenderla del óxido y la roña
de la famosa pátina del tiempo
del relente y del oportunismo
de los proxenetas de la risa


defender la alegría como un derecho
defenderla de dios y del invierno
de las mayúsculas y de la muerte
de los apellidos y las lástimas
del azar
y también de la alegría
                                                                                         Mario Benedetti

Egipto

Oh Egipto sábio da biblioteca de Alexandria,
Allah te dê uma democracia e não uma teocracia!!!
Imagem daqui


     «Nós nunca seremos calados!
      Quer sejas cristão, quer sejas muçulmano, quer sejas ateu, vem exigir os nossos malditos direitos!
      Nós vamos ter os nossos direitos, de uma maneira ou de outra!
     Nunca nos calarão!»

sábado, 29 de janeiro de 2011

O Académico sabe nadar, iô!!!!!

Parabéns * 


* Vergonhosamente atrasados.

La pasión

Imagem daqui
Salimos del amor
como de una catástrofe aérea
Habíamos perdido la ropa
los papeles
a mí me faltaba un diente
y a ti la noción del tiempo
Era un año largo como un siglo
o un siglo corto como un día?
Por los muebles
por la casa
despojos rotos:
vasos fotos libros deshojados
Éramos los sobrevivientes
de un derrumbe
de un volcán
de las aguas arrebatadas
y nos despedimos con la vaga sensación
de haber sobrevivido
aunque no sabíamos para qué.
                                                                                                  Cristina Peri Rossi

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Os trabalhos de Pedro Passos Coelho

     O líder do PSD tem três tarefas para 2011:
     1. Abrir o partido à esquerda;
     2. Pôr o partido no século XXI, abrindo-o nas temáticas dos costumes;
     3. Livrar-se da tralha do barrosismo (o  pessoal político que, com a sua incompetência, inaugurou o pântano em que o país se atolou).
Imagem daqui
     PPC vai tentar dar passos rápidos nas tarefas 1 e 2 e vai ter maior sucesso relativo na primeira que na segunda.
     Já na tarefa 3, PPC vai patinar. O aparelho não o vai deixar pôr o pé em ramo verde.
     Um exemplo: PPC vai continuar a aparecer  com emplastros como o pára-quedista José Luís Arnaut, essa nulidade política eleita pelo distrito de Viseu.

Activos tóxicos *

     1. Terminou o tormento das presidenciais.
     Abstenção: 53,5%. Votos brancos e nulos: 278 mil (6,2%). José Manuel Coelho (que em todos os dias da campanha disse a palavra “ladrões”): 4,5%. Fernando Nobre (com uma plataforma por uma política limpa): 14,1%. **
     A forma como as pessoas não votaram e a forma como as pessoas votaram contém uma mensagem poderosa: os cidadãos sabem que «grande parte da nossa elite política é um “activo tóxico” para o país» (síntese de Fernando Brízio, no Público).
     Está tudo calmo dentro da panela de pressão.



     2. A votação em Cavaco mostra claramente o que foi dito em devido tempo aqui no Olho de Gato. O PS com um candidato sensato e com espessura podia ter imposto uma segunda volta ao presidente da república.
     Alegre, Louçã e Carlos César foram os três grandes derrotados destas presidenciais.


     3. «Não gosto de noites de facas longas», disse logo no início da noite eleitoral o deputado “europeu” do bloco de esquerda Miguel Portas.
     «Os partidos de direita já começaram a afiar as facas», disse mais tarde Francisco Louçã. 
Imagem daqui
     Percebeu-se: há facas no bloco.
     Dizia-se antigamente nas aldeias quando se ouvia a gaita do amolador: «vem aí chuva!»


     4. No distrito, Mangualde e Resende foram os únicos concelhos em que Manuel Alegre teve uma votação acima da média nacional. João Azevedo e António Borges destacam-se sempre.
     Já na capital do distrito, Manuel Alegre ficou 5% abaixo da média nacional e foi o único concelho do distrito em que Alegre foi humilhado por Fernando Nobre.
     Depois da deserção de Miguel Ginestal do lugar para que foi eleito, o PS no concelho de Viseu é um “activo tóxico”. E a tranquilidade do dr. Ruas.
     Uma nota final: S. Pedro do Sul adora José Manuel Coelho. 5,2% é notável. O homem merece tratamento vip nas termas.

* Texto publicado hoje no Jornal do Centro
** Números actualizados em 29 de Janeiro, depois do escrutínio final já com os votos dos emigrantes.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

A culpada

A universidade do Minho foi incumbida para que — de uma forma tempestiva, célere e atempada — averigue, em sede de inquérito, a responsabilidade do que aconteceu nas últimas eleições com a modernice dos cartões do cidadão.
     
Este blogue entusiasma-se sempre com inquéritos. Um inquérito é sempre bom. Por duas razões:
     
1ª - é uma encomenda de um serviço; logo: cria riqueza, aumenta o PIB;
     
2ª - propicia, depois, o aparecimento de frases com a palavra "culpa" e a palavra "solteira" muito juntinhas.
     
Neste caso concreto, para facilitar a vida à universidade do Minho, envia-se daqui a fotografia da culpada:
Imagem daqui

     
Não precisam de agradecer.

Paz à sua alma!

     Desde 1986, em Portugal, quando se fala em fundos comunitários, fala-se em "execução" de fundos comunitários (aqui, aqui, aqui, aqui).
Imagem daqui
     O dinheiro fácil da "europa" criou uma indústria de "execução" de fundos com os resultados que se conhecem. E a senhora Merkel e os seus eleitores  também conhecem.

     Casos de mau uso dos dinheiros públicos em Viseu costumam-se saber no blogue Viseu, Senhora da Beira que faz o serviço público que outros não têm cojones para fazer.
     Ontem, aleluia!, um jornal de referência conta os trambolhões sofridos por 25 milhões de fundos comunitários  na associação de municípios Lusitânia.
     Se os 25 milhões estão no paraíso, no purgatório ou no inferno, é coisa que os teólogos da universidade católica poderão apurar. 
     Uma coisa é certa: depois dos rigorosíssimos inquéritos que se vão seguir,  vai-se perceber que os 25 milhões foram "executados",  isto é, que morreram. 
      Paz à sua alma!

* Adenda em 2 de Fevereiro: mais "bibliografia" do caso aqui, aqui, aqui e aqui.

Salomé *

Imagem daqui
I scissor the stem of the red carnation
and set it in a bowl of water.
It floats the way your head would,
if I cut it off.
But what if I tore you apart
for those afternoons
when I was fifteen
and so like a bird of paradise
slaughtered for its feathers.
Even my name suggested wings,
wicker cages, flight.
Come, sit on my lap, you said.
I felt as if I had flown there;
I was weightless.
You were forty and married.
That she was my mother never mattered.
She was a door that opened onto me.
The three of us blended into a kind of somnolence
and musk, the musk of Sundays. Sweat and sweetness.
That dried plum and licorice taste
always back of my tongue
and your tongue against my teeth,
then touching mine. How many times?—
I counted, but could never remember.
And when I thought we’d go on forever,
that nothing could stop us
as we fell endlessly from consciousness,
orders came: War in the north.
Your sword, the gold epaulets,
the uniform so brightly colored,
so unlike war, I thought.
And your horse; how you rode out the gate.
No, how that horse danced beneath you
toward the sound of cannon fire.
I could hear it, so many leagues away.
I could see you fall, your face scarlet,
the horse dancing on without you.
And at the same moment,
Mother sighed and turned clumsily in the hammock,
the Madeira in the thin-stemmed glass
spilled into the grass,
and I felt myself hardening to a brandy-colored wood,
my skin, a thousand strings drawn so taut
that when I walked to the house
I could hear music
tumbling like a waterfall of China silk
behind me.
I took your letter from my bodice.
Salome, I heard your voice,
little bird, fly. But I did not.
I untied the lilac ribbon at my breasts
and lay down on your bed.
After a while, I heard Mother's footsteps,
watched her walk to the window.
I closed my eyes
and when I opened them
the shadow of a sword passed through my throat
and Mother, dressed like a grenadier,
bent and kissed me on the lips.
                                                      Ai (ex-Florence Anthony)



* Ontem na Acert, em Tondela, viu-se uma extraordinária Salomé de Oscar Wilde, com direcção e dramaturgia de Carlos Santiago e produção do Centro Dramático Galego

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Do desporto

«A popularidade do desporto deve-se  ao facto de ele permitir classificar os indivíduos uns em relação aos outros numa base justa, rigorosamente igualitária e meritocrática: o vencedor, com efeito, deve o lugar que ocupa aos seus próprios esforços, não ao seu nascimento ou à sua fortuna, ele é um self-made-man que reconcilia a contradição moderna entre a igualdade de princípio e a desigualdade de facto das nossas sociedades.»
(...)
Imagem daqui
«Ninguém conseguiu determinar, até hoje, aquilo que o corpo é capaz», escrevia Espinoza: o espectador desportivo é precisamente aquele que espera, todas as vezes, uma resposta a esta pergunta ontológica não formulada. 

De que é que o corpo é capaz?»
Gilles Lipovetsky,
in O Crepúsculo do Dever

To My Valentine

Imagem daqui
More than a catbird hates a cat,
Or a criminal hates a clue,
Or the Axis hates the United States,
That's how much I love you.


I love you more than a duck can swim,
And more than a grapefruit squirts,
I love you more than a gin rummy is a bore,
And more than a toothache hurts.


As a shipwrecked sailor hates the sea,
Or a juggler hates a shove,
As a hostess detests unexpected guests,
That's how much you I love.


I love you more than a wasp can sting,
And more than the subway jerks,
I love you as much as a beggar needs a crutch,
And more than a hangnail irks.


I swear to you by the stars above,
And below, if such there be,
As the High Court loathes perjurious oathes,
That's how you're loved by me.
                                                                                                          Ogden Nash

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Como a Moody's, a Standard & Poor's e a Fitch nos vêem

Fotografia Olho de Gato

Desgraçada

     A desgraçada da ministra do trabalho foi sindicalista mas não parece. 
     Ontem foi ela que deu a cara e a voz em defesa de  mais um golpe nos direitos dos trabalhadores:  vai ser diminuída à bruta a indemnização por despedimento.
     Isto é um erro: a ideia que "flexibilizar" os despedimentos faz aumentar o investimento é uma tanga com um resultado previsível: vamos ter ainda mais dumping social.
     Arranje-se uma justiça célere capaz de pôr os caloteiros a pagarem o que devem, tire-se o complicómetro corrupto do  estado, promova-se a concorrência e não as  empresas amigas do costume, e teremos investimento e criação de emprego.
     Não vamos a lado nenhum a aplicar a receita do FMI e, ao mesmo tempo, a correr o mundo de mão estendida a ditadores.

Apelo aos sportinguistas Rogério Alves e Dias Ferreira

Facto 1 indesmentível:

     A Bélgica está sem governo desde 13 de Junho, há sete meses e duas semanas.
     As coisas não têm corrido mal.


Facto 2 indesmentível: 
Imagem daqui
     O Sporting está com um presidente demissionário desde 16 de Janeiro
     Desde então, a equipa parece outra. Ontem, foi à Madeira espetar três secos no Marítimo.

     Caros Rogério Alves e Dias Ferreira, por favor, sigam o exemplo belga.

Pátrias

Imagem daqui

Quero que as pátrias todas vão passear
Até ao Jardim Decente
E voltem depois não como pátrias
Mas como gente.
                                                                                Alberto de Lacerda


segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Engonhar

     Há muito tempo, no tempo em que a assembleia municipal de Viseu tratava de assuntos que têm a ver com os problemas das pessoas, o deputado socialista António Ribeiro de Carvalho fez notar a falta que um crematório faz em Viseu.
     Nada há de mais humano que honrar os  mortos e a sua vontade.
     E a cremação cada vez tem mais procura.
Imagem daqui
      Ora, segundo a edição de hoje do Diário de Viseu,  Fernando Ruas disse pela undécima vez que está a estudar o dossier. 
     Isto é, pela undécima vez engonha o caso.

No respiradouro do metro

New York, 1955





New York, 2011

domingo, 23 de janeiro de 2011

Magnólias


nascem vazias de amarelo
as magnólias que se inclinam
oblíquas a uma terra despovoada
da dimensão da flor
murmuram suas pétalas pelo vento
galopante e assustado fugido dos
desertos que eram florestas


lentas azuis as estrelas estalam
agapantos jacarandás
sangue adormecido dos fenómenos
que os olhos à luz fazem desaparecer


ausentes as asas adormecem
trilhos estilhaçados na terra
onde o longe e a distância
permanecem na tortura
do pensamento
sem etecétera


as searas de flores os
gerânios as açucenas
os corações abertos dos rapazes
aos lilases
perfume de entrega permanente
musculado e frágil advento
de um tempo que há-de partir
mergulhado nos estames das mãos
para se transmutar em beijos
oferecidos às bocas


no chão da terra aturada e escura
as magnólias pálidas sombrias
escorrem mel torturado e morno
onde rapazes deixam o abraço
doce permanente como o pecado


o orvalho da manhã reclama as
magnólias que fecundadas devolvem
à terra o sangue
dos rapazes exaustos cansados


é manhã a terra toda de repente
desmaia atormentada nua e quente
                                                                                  Henrique Levy


Não vai haver segunda volta

Sem surpresa, os portugueses não vão ser postos 
perante dilemas difíceis *:
Imagem daqui

* Na lista de derrotados da noite não esquecer dois nomes: Francisco Louçã e Carlos César.

Tem tempo ainda, vá lá!

Dez por cento a menos do que em 2006
Afluência às urnas foi de 35,16 por cento até às 16h00

Aviso da Comissão Nacional de Eleições

Proibido palpites antes das 20H00.

sábado, 22 de janeiro de 2011

A um galo

Aquele que injuriava a madrugada
com ácida, assídua voz.
O que tinha esporões por baioneta,
o do ciúme em brasa.


O galo. Um osso dele
ainda no quintal.
                                                  A. M. Pires Cabral

Política hoje não ...

... este blogue está em refle-chão ...
Imagem daqui

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Rogério Alves

     O nome mais falado para futuro presidente do Sporting, o advogado Rogério Alves, fala uma fala inimitável. 
     Singular.
     Única.


     Rogério Alves fala ao abrigo do antigo acordo ortográfico.
     Abençoado seja!!!!!

* Fotografia daqui

Para um Altar, de José Rodrigues *

     «Afinal, do que ando à procura?
     E porque é que nunca estou satisfeito, quero sempre mais?»
                                                                                                    José Rodrigues


      «A arte tem uma forma de "dizer Deus" diferente das teologias e dos outros discursos sobre o sagrado.»
                                                                                                    Nuno Higino


* Exposição de escultura de José Rodrigues, em terracota e bronze.
Museu do Douro, Régua, até 20 de Fevereiro

Grotto

Imagem daqui

Não quero nada claro ou helénico.
Prefiro turbinas de aviões comerciais, a sua fuligem
doméstica
às velas de alabastro do veleiro de Ulisses
lá em mar alto.
Prefiro o eclipse a Calipso.
Não quero nada de verdadeiramente branco.
Dispenso a asa delta de garças,
o seu voo aerodinâmico,
troco-o pela arribação de ratos no esgoto,
a sua pressa chinesa,
o seu stress pós-traumático:
orgulham-me criaturas tão limpas.
Assim também recuso o papel branco:
trato de o desfigurar
com sangue negro, como se desfigura
um branco em Harlem.
Não quero começar a imaginar como se sentiriam
escravos nos campos de algodão.
                                                                                                         Daniel Jonas

O tormento *

     1. Estão aí as eleições presidenciais.
     Este tormento começou há um ano, em Janeiro de 2010, pelas mãos do poeta Alegre e do tele-evangelista Louçã, mais tarde acolitados por Carlos César, o tal que subtraiu os “seus” funcionários aos sacrifícios do PEC3.
     Esse trio impôs a vacuidade alegre e tornou impossível o aparecimento de um candidato com espessura, um candidato moderado e sensato capaz de fazer história, isto é, capaz de impedir a reeleição do pior presidente desta nossa terceira república.
     Pelo que fez nos últimos cinco anos, Cavaco Silva não merecia ter a vida assim tão facilitada.
Imagem "picada" daqui
     Para o tormento ser maior, toda a campanha foi feita com as candidaturas a deitarem trampa para a frente da ventoinha, trampa que depois, evidentemente, se espalhou em todas as direcções.
     O blogue Olho de Gato, no sábado, ironizou:
     Esgotado o assunto "acções do BPN", propõe-se este tema para a segunda semana da campanha: «o cavaco provoca o cancro do pulmão!»
     A segunda semana de campanha, infelizmente, não foi menos infecta. Pelo menos até à altura em que estou a escrever esta crónica (quarta-feira de manhã).
     Resta assinalar o que de positivo aconteceu:
    — foi bom Cavaco Silva ter decidido não usar outdoors.

     Recorde-se: em 2009, os partidos gastaram 29 milhões de euros dos nossos impostos em outdoors. Tem que se aplaudir o que aconteceu agora e desejar que este exemplo de contenção se repita em futuras eleições.
     — o candidato Fernando Nobre, um homem bom, não participou em campanhas sujas. Ao menos ele.

     2. O resgate grego, em Maio, foi de 110 mil milhões de euros. O irlandês, em Novembro, foi de 85 mil milhões. Esta semana o The Telegraph avançou um número para o bailout português: 80 mil milhões.
     Vai ser em Fevereiro?

* Texto publicado hoje no Jornal do Centro, com o título Presidenciais (#2)

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

"Uma gaita..."

Imagem daqui

Sérgio Sousa Pinto fez hoje, no parlamento, bullying ao bullying legisferador português.



Adenda em 21 de Janeiro: Acto II

O ciúme

Entre as tartáreas forjas, sempre acesas,
Jaz aos pés do tremendo, estígio nume,
O carrancudo, o rábido Ciúme,
Ensanguentadas as corruptas presas.

Traçando o plano de cruéis empresas,
Fervendo em ondas de sulfúreo lume,
Vibra das fauces o letal cardume
De hórridos males, de hórridas tristezas.

Pelas terríveis Fúrias instigado,
Lá sai do Inferno, e para mim se avança
O negro monstro, de áspides toucado.

Olhos em brasa de revés me lança;
Oh dor! Oh raiva! Oh morte!... Ei-lo a meu lado
Ferrando as garras na vipérea trança.

                                                                                              Bocage

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Nostalgia (#2)

Viseu anos de 1920

O postal é comprável aqui, o carro não

A imprensa do coração agora ...

  ... tem o coração focado em Renato Seabra.
      Felizmente, o analfabetismo desta matilha ainda não se lembrou de chamar ao rapaz Giuseppe Pelosi.

Dos felinos

Imagem daqui

Nenhum vocábulo detém o gato
e o sublinha, lacónico,
no choro, no cio.

Completo, destemido, curvatura, elo.
Despojado, num túnel,
da pele, do pêlo.

Só lhe ganha o homem
ganhando erecção, êxtase,
circulação do sangue
orientada.
Luiza Neto Jorge


"Miau", Adrià Puntí

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Boomerang

29 de Junho de 2007:
      Manuel Alegre chamou "intolerante" a Correia de Campos por este ter exonerado uma directora de centro de saúde que se recusara a tirar um cartaz que gozava o ministro da saúde

Imagem daqui



18 de Janeiro de 2011:
     Correia de Campos disse que Manuel Alegre não é alternativa a Cavaco Silva e que este "garante estabilidade".

This town is my town (#2)

Viseu

Abóbora

Percebe-se a ideia alegre:
abóbora + açúcar + tempo + requeijão = 2ª volta 
Viseu, 16 de Janeiro de 2011

Este ministro

Imagem daqui

Este ministro é um mentiroso
que agonia quando ele discursa
e se fosse só isso: bale sem jeito
às meias horas seguidas – e não pára!


bem-aventurados os duros de ouvido
a quem o céu abrirá as portas
desliguem p.f. o microfone
ou então tirem o país da ficha
                                                                Fernando Assis Pacheco

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

At the movies (#1)

Gloria Grahame *


I was born when she kissed me,
I died when she left me,
I lived a few weeks,
While she loved me.
                 In a Lonely Place, directed by Nicholas Ray



* Imagem daqui

Andamos por cá desde 1143 ...

... e por cá vamos continuar,
o FMI é só um pormenor *...

* The Telegraph, hoje: "Portugal facing €80bn EU bail-out"

Legado

É simples meu legado:
muito mais aprendi cada vez que ensinei.
O que fui, esqueci; só lembro do que fiz.
Perdi tudo que tive, só ganhei o que dei,
e nas vezes que amei, foi que me fiz amado.
                                                                                          Osmard Andrade Faria

domingo, 16 de janeiro de 2011

O sexo dos anjos

Os jornais deste fim-de-semana anunciam, sem novidade, que todas as SCUT vão ter portagens em Abril.

      
Na última assembleia municipal de Viseu falou-se de temas urgentíssimos:      
— pormenorizou-se a biografia de São Teotónio;    
— fez-se a hermenêutica da doutrina social-democrata de Sá Carneiro;     
— esmifraram-se as viagens ao concelho do delegado regional da cultura;     
— ... 
     
Foram assuntos tão, tão, tão, tão urgentes que, nem o presidente da câmara, nem nenhum dos 69 deputados municipais de nenhum dos partidos ....
... teve tempo para se preocupar com o ataque brutal à economia e à mobilidade da região que se está a preparar para a primeira metade deste ano. 
     
A assembleia municipal de Viseu especializou-se na problemática do sexo dos anjos. 

In The Twentieth Century

Man Ray
I live in the Twentieth Century
and you lie here beside me. You
were unhappy when you fell asleep.
There was nothing I could do about
it. I felt hopeless. Your face
is so beautiful that I cannot stop
to describe it, and there's nothing
I can do to make you happy while
you sleep.
                                                                                          Richard Brautigan